Sinopse

Os irmãos Félix (Mateus Solano) e Paloma (Paola Oliveira) vão disputar a herança do pai, César Khoury (Antônio Fagundes), dono do hospital San Magno, em São Paulo. Com esse objetivo, Félix não medirá esforços pra tentar tirar sua irmã do caminho.

César é quem rege as regras no hospital. Clínico geral e casado com Pilar (Susana Vieira) desde os tempos de faculdade, procura sempre na filha o seu sucesso em vida. Parece que ele projeta seu próprio futuro nela. Já a matriarca morre de amores pelo filho mais velho, por quem o pai não tem tanto apreço.

Félix é considerado a “ovelha-negra” da família por César e acaba ganhando uma superproteção exclusiva de Pilar. Incapaz de se formar como médico, Félix acabou enveredando pelos caminhos da administração para conseguir uma patente plausível para pôr em prática suas tramoias dentro do hospital. Frio e ambicioso, desvia dinheiro, se aproveita de informações privilegiadas e planeja sempre a execução de seu maior plano: tomar a frente dos negócios da família. O que ninguém sabe é que ele próprio vive um grande dilema: é homossexual não assumido. Casado com Edith (Bárbara Paz), tem um filho adolescente, Jonathan (Thalles Cabral).

Durante uma viagem de família ao Peru, Paloma se apaixona pelo aventureiro Ninho (Juliano Cazarré), com quem acaba fugindo para se ver livre das pressões da família Khoury. Ela engravida, mas a relação dos dois desmorona. De volta ao Brasil, Paloma acaba dando à luz no banheiro de um bar do centro de São Paulo, com a ajuda de Márcia (Elizabeth Savalla), uma ex-chacrete que dedica sua vida a instruir a filha, Valdirene (Tatá Werneck), a encontrar um marido rico.

Félix vai atrás da irmã e, ao encontrá-la desfalecida e sozinha após o parto, sequestra sua sobrinha sem piedade e joga a recém-nascida numa caçamba de lixo. No mesmo instante, no Hospital San Magno, Bruno (Malvino Salvador) está arrasado por ter perdido a esposa grávida e seu filho no momento do parto. Abalado, ele anda desorientado pelas ruas até que escuta um choro de criança. Bruno acaba encontrando o bebê jogado no lixo por Félix e decide adotar a criança, comovido e fragilizado.

Doze anos depois, Paloma e Bruno se conhecem ao acaso no hospital. Os dois se apaixonaram por conta de Paulinha (Klara Castanho), filha dele, que tem consultas periódicas com a pediatra, sem que ela saiba que a menina é sua cria. Uma forte ligação une os três, inexplicavelmente.

No entanto, ao descobrir o paradeiro da filha e a identidade da menina, Paloma fará de tudo pra recuperá-la na justiça e assim baterá de frente com Bruno. O amor à vida colocará o casal em lados opostos, provocando uma disputa entre eles, à medida em que vão ruindo os segredos da família Khoury, na qual Félix é o principal personagem.

Globo – 21h
de 20 de maio de 2013
a 1º de fevereiro de 2014
221 capítulos

novela de Walcyr Carrasco
colaboração de Daisy Chaves, Eliane Garcia, Daniel Berlinsky e Márcio Haiduck
direção de André Barros, André Felipe Binder, Marcelo Travesso, Marco Rodrigo e Marcus Figueiredo
direção geral de Mauro Mendonça Filho
núcleo Wolf Maya

Novela anterior no horário
Salve Jorge

Novela posterior
Em Família

MATEUS SOLANO – Félix Khoury
PAOLLA OLIVEIRA – Paloma Khoury
MALVINO SALVADOR – Bruno dos Santos Araújo
ANTÔNIO FAGUNDES – César Khoury
SUSANA VIEIRA – Pilar Khoury
VANESSA GIÁCOMO – Aline Noronha
JULIANO CAZARRÉ – Ninho (Joaquim Roveri)
ELIZABETH SAVALLA – Márcia do Espírito Santo (Tetê Para-Choque Para-Lama)
LUÍS MELLO – Atílio Pimenta Camargo / Alfredo Gentil
THIAGO FRAGOSO – Niko
MARCELLO ANTONY – Eron
DANIELLE WINITS – Amarylis
BÁRBARA PAZ – Edith Sobral Khoury
ARY FONTOURA – Lutero Moura Cardoso
NATHALIA TIMBERG – Bernarda Rodriguez
TATÁ WERNECK – Valdirene do Espírito Santo
ANDERSON DI RIZZI – Carlito (Carlos José dos Santos Araújo)
ELIANE GIARDINI – Ordália Aparecida dos Santos Araújo
FÚLVIO STEFANINI – Denizard Trajano Araújo
CAROLINA KASTING – Gina (Regina Maria dos Santos Batista)
JOSÉ WILKER – Herbert Marques
ROSAMARIA MURTINHO – Tamara Gouveia Sobral
LEONA CAVALLI – Glauce de Sá Benites
FABIANA KARLA – Perséfone Fortino
MARIA CASADEVALL – Patrícia Mileto
CAIO CASTRO – Michel Gusmão
FERNANDA MACHADO – Leila Melo Rodriguez
RICARDO TOZZI – Thales Britto
MARINA RUY BARBOSA – Nicole Veiga de Assis
RODRIGO ANDRADE – Daniel Melo Rodriguez
BRUNA LINZMEYER – Linda Melo Rodriguez
RAINER CADETE – Rafael Nero
GENÉZIO DE BARROS – Amadeu Campos Rodriguez
SANDRA COVERLONI – Neide Melo Rodriguez
CAROL CASTRO – Silvia Bueno Gusmão
MÁRCIO GARCIA – Guto (Gustavo Donato)
THALES CABRAL – Jonathan Sobral Khoury
MOUHAMED HARFOUCH – Pérsio Faruq Ahmad
PAULA BRAUN – Rebeca Schatmann
VERA ZIMERMANN – Simone
BEL KUTNER – Joana Rangel
LUCAS ROMANO – Luciano dos Santos Araújo
ÂNGELA REBELLO – Lidia Pinheiro
CHRISTIANE TRICERRI – Vega Azevedo Pimenta Camargo
CARLOS MACHADO – Ignácio
ÂNGELA RABELO – Dona Eudóxia
FRANÇOISE FORTON – Gigi (Gisela Borba de Andrada Lemos)
EMÍLIO ORCIOLLO NETTO – Murilo de Andrada Lemos Corrêa
NEUSA MARIA FARO – Ciça (Maria Cecília Esteves)
CRISTINA MUTARELLI – Priscila Khoury
JÚLIO ROCHA – Jacques Sampaio
MARIA MAYA – Alejandra Reyes Moreno
MARCELO SCHMIDT – Valentin Reyes Moreno
ÂNGELA DIP – Vívian
KIKO PISSOLATO – Maciel
FELIPE TITTO – Wagner
MARCELO FLORES – Rinaldo
DANIEL ROCHA MIRANDA – Dr. Rogério
MARCELO ARGENTA – Dr. Vanderlei Brandão
PIERRE BAITELLI – Dr. Laerte Torres
ÁLAMO FACÓ – Dr. Renan
VERA MANCINI – Maristela
MÍRIAM LINS – Verônica
CELSO BERNINI – Jefferson
THAVYNE FERRARI – Sandra Alves Corrêa
a adolescente
KLARA CASTANHO – Paulinha (Paula Sousa Araújo)
e
ADA CHASELIOV – juiza no caso do exame de DNA de Paulinha
ADRIANO TOLOZA – Ivan Coelho (enfermeiro no hospital San Magno)
ALBY RAMOS – porteiro no prédio de Patrícia
ALEXANDRE BARBALHO – gerente do Banco que Félix procura para fazer empréstimos
ALEXANDRE SCHUMACHER – investigador do acidente de Atílio
ALEX CEZÁRIO – rapaz que leva o seguro do carro de Aline a Cesar
ANA CARBATTI – Drª Judith (médica no hospital San Magno)
ANA PAULA BOTELHO – Carolina (assistente social)
ANDRÉ GAROLLI – Dr. Vinicius Frazão (médico do San Magno, ligado ao tratamento do câncer de Nicole)
ANNA COTRIM – mãe de Rebeca
ANTÔNIO FRAGOSO – auditor que provou que Félix superfaturava os contratos do hospital
BETH LAMAS – enfermeira na clínica onde Paloma é internada
BETO QUIRINO – pescador que encontra Ciça desacordada
BRUNO BIANCHI – Nivaldo
BRUNO DUBEUX – Samuel (do casal gay no qual Amarilys tenta aplicar novo golpe, ao final)
BRUNO FADELLI – Neco
CAMILA CHIBA – Noriko Akiyoshi (enfermeira no hospital San Magno, depois dançarina de funk que acompanha Carlito)
CAMILA CZERKES – Drª Valéria Ferraz (médica no Hospital San Magno)
CAMILA CAPUCCI – Hermínia (candidata a barriga de aluguel)
CAMILO BEVILACQUA – juiz do julgamento de Paloma, acusada de tráfico
CAROL RAINATO – Raquel (enfermeira no hospital San Magno, depois dançarina de funk que acompanha Carlito)
CASSIANO BARRETO – Aílton (zelador no hospital São Magno)
CÁSSIO PANDOLFI – padre do casamento de Valdirene e Ignácio
CHICO EXPEDITO – amigo de Márcia que a ajuda a investigar os noivos que contrataram Carlito
CHRISTOVAN NETTO – psiquiatra de Thales
CLÁUDIA COSTA – paciente de Amarylis
CLÁUDIO AMATO – Ítalo (mordomo da casa de Eudóxia)
CLÁUDIO CINTI – padre do casamento de Márcia e Gentil
CLÁUDIO TOVAR – Delegado Assis (prende Rafael por sedução de incapaz, investiga Aline)
CLEITON MORAES – Cobra (Raulzinho)
DANIEL UEMURA – Dr. Shiro (médico no hospital San Magno)
DANI VIEIRA – Ellen (candidata ao BBB que ficou na Casa de Vidro com Valdirene)
DELMA SILVA – enfermeira no hospital San Magno
EDUARDO HASHIMOTO – enfermeiro no hospital San Magno
ERIBERTO LEÃO – André (novo médico do San Magno, que se envolve com Eron, ao final)
FELIPE NIEMAYER – enfermeiro no hospital San Magno
FERNANDO WELLINGTON – delegado a quem Paloma denuncia o sumiço de Paulinha
FRANCINE MELO – Karina Ramos (vendedora na loja de Edith)
FRANCISCO CUOCO – Rubão (pai de Ignácio)
GABRIELA DUARTE – Luana Sousa Araújo (esposa de Bruno que morre no parto, no início)
GABRIEL CHADAN – Adoniran (garçon no bar frequentado pelos médicos do hospital San Magno)
GILBERTO MIRANDA – Jardel (mecânico atropelado por Márcia)
GIOVANNA DI TONI – Ingrid (paciente de Amarilys que a convida para Angra)
GLÁUCIO GOMES – Efigênio (balconista do bar em que Paloma dá a luz, que depois torna-se partor evangélico)
HENROQUE NEVES – gerente do motel que expulsa Valdirene
HUGO RESENDE – motorista que dá em cima de Perséfone
ILÉIA FERRAZ – juiza na audiência de Atílio/Gentil
ILYA SÃO PAULO – Euclides (impostor contratado por Aline para se passar por gerente de banco)
ÍNDIA POTIRA – ex-chacrete madrinha de casamento de Márcia
ISAAC BERNAT – pai de Rebeca
JAIME LEIBOVITCH – Dr. Fridman (da empresa farmacêutica em que Félix se cadidata a uma vaga)
JEFFERSON SCHROEDER – Túlio (do casal gay no qual Amarilys tenta aplicar novo golpe, ao final)
JITMAN VIBRANOVSKI – Aurélio (mordomo na mansão de Nicole)
JOÃO CUNHA – Jonas (advogado de Márcia)
JOÃO LIMA JR. – médico de Inaiá
JORGE LUCAS – advogado de Ninho, pago por Félix
JOSÉ STEINBERG – avô de Rebeca
JOSIE ANTELLO – Adriana (cozinheira da família Khoury, que vai trabalhar com Niko mais tarde, como babá)
JÚNIOR PRATA – colega de Bruno na imobiliária
KARINA MELLO – vendedora numa loja de jóias
KAYKY GONZAGA – Jaiminho (menino adotado por Niko e Eron)
LARYSSA MARQUES – Nicole (criança)
LIONEL FISCHER – padre do casamento de Nicole e Thales
LUANA TANAKA
LUCAS MALVACINI – Anjinho (amante de Félix)
LÚCIA VERÍSSIMO – Mariah Piattini (mãe biológica de Paloma)
LUISE ALTENHOFFEN – instrutora de mergulho que “fica” com Guto
LUIZA MARIANI – Sibila (candidata a barriga de aluguel)
MARCELO FAUSTINI – comissário do voo onde Valdirene assedia Luciano Huck
MARCELO TORREÃO – homem para quem Maciel vende a van de Márcia
MÁRCIO MACHADO – Mário
MÁRCIO VITO – delegado que prende Paloma no aeroporto
MARIA CÉLIA CAMARGO – senhora com quem Paloma conversa no parque
MÁRIO CÉSAR CAMARGO – juiz no caso da adoção de Jaiminho
MÁRIO HERMETO – chefe de Bruno na imobiliária
NADINNE OLIVEIRA – Ana
NATHALIA RODRIGUES – Elenice Marinelli (enfermeira do San Magno assassinada por Glauce)
PAULINHO LESSA – bandido que dopou Perséfone
PAULO CARVALHO – investigador
RAFAELA AMADO – vendedora numa loja de jóias
RAFAEL SIEG – bandido que dopou Perséfone
RAQUEL VILLAR – Inaiá Seixas (enfermeira do hospital San Magno, que contraiu Aids)
RENATA CASTRO BARBOSA – Marilda (trabalha no refeitório do hospital San Magno)
RENATA TOBELEM – Dirce (secretária no hospital San Magno)
RICA BARROS – Wallace (chefe da segurança do hospital San Magno)
RICARDO PAVÃO – Drumond (chefe de Bruno na imobiliária)
RITA CADILLAC como ela mesma
RITA CLEMENTE – Olenka (vidente que ajuda Thales a se comunicar com o espírito de Nicole)
RODRIGO DOS SANTOS – investigador no sequestro de Paulinha
RODRIGO MENDONÇA – Olavo (motorista na mansão de Nicole)
RODRIGO RANGEL – investigador do acidente de Atílio
ROSE LIMA – Cida (empregada na casa dos Khoury)
SANDRA BANDEIRA – Gilda
SIDNEY SAMPAIO – irmão Elias (evangélico que se apaixona por Gina)
SOPHIA ABRAHÃO – Natasha (meia-irmã de Nicole, filha de Lídia)
VALÉRIO FONSECA – faxineiro que joga água em Valdirene
VANESSA BUENO – Drª Gisele Aguiar (médica no Hospital San Magno)
VERA FERREIRA – Sirlange (empregada na casa dos Khoury)
WERLES PAJERO – Juscelino (mecânico que paquera Félix)

– núcleo de CÉSAR KHOURY (Antônio Fagundes), médico sócio proprietário do Hospital San Magno, em São Paulo. Prepotente e com conceitos morais próprios, dedica sua vida intensamente ao hospital. Adora a filha, mas não tem apreço pelo filho mais velho. Mulherengo, teve diversos relacionamentos ao longo da vida que estão interligados aos segredos alimentados por mágoas, ciúme e ambições que a família Khoury esconde:
a mulher PILAR (Susana Vieira), dermatologista que não exerce mais a profissão. Apaixonada por César, fez vista grossa muitas vezes ao longo da vida para as atitudes do marido. Adora o filho mais velho e faz todas as suas vontades, mas tem uma relação tensa com a filha caçula. Vê sua vida desmoronar ao descobrir o novo caso de César e inicia uma guerra contra ele
os filhos: FÉLIX (Mateus Solano), o inescrupuloso filho mais velho, que sempre se sentiu renegado pelo pai e desenvolveu grande cumplicidade com a mãe, a quem idolatra. Com absoluta falta de caráter, sempre tem comentários venenosos e, ao mesmo tempo, engraçados na ponta da língua. Invejoso, ferino, rancoroso e manipulador, esconde sua homossexualidade em um casamento de fachada. Movido pela ambição de chegar à direção do Hospital San Magno e de afastar a irmã da família, acaba jogando a filha recém-nascida dela em uma caçamba de lixo. No entanto, anos depois, a vida lhe dá uma chance de redenção,
e PALOMA (Paolla Oliveira), a caçula, preferida do pai. Doce, rebelde e intensa, vive em conflito com Pilar. Apaixona-se por um hippie, de quem engravida no começo da trama, em uma viagem ao Peru. Mas, ao dar a luz, tem sua filha arrancada de seus braços por Félix, que rouba a menina. Acaba tornando-se uma pediatra e apaixona-se justamente pelo pai de criação da garota, sem saber que se trata de sua filha desaparecida
a sogra BERNARDA (Nathalia Timberg), mãe de Pilar, é uma mulher de origem humilde que guarda muitos segredos da família Khoury. Viúva, é prática e objetiva. Nunca se deu bem com César e enxerga a verdadeira personalidade de Félix. Acaba descobrindo novamente o amor
a nora EDITH (Bárbara Paz), dona de uma butique, casada com Félix. Desconfia das inclinações sexuais do marido, mas não quer perdê-lo de forma alguma, nem a boa vida proporcionada pelos Khoury. É, a princípio, a maior cúmplice do marido. Guarda um segredo do passado: o caso velado que teve com César e que resultou em seu casamento com Félix
o neto JONATHAN (Thalles Cabral), jovem introspectivo, um tanto rebelde, que vive em atrito com o pai, Félix, de quem se aproxima posteriormente quando a vida lhes dá uma rasteira
a mãe de Edith, TAMARA (Rosamaria Murtinho), mulher elegante, ambiciosa, sempre procura pensar em uma forma de se dar bem. É a mentora intelectual dos planos que orienta a filha a realizar
a irmã PRISCILA (Cristina Mutarelli), mulher fútil e exagerada, é sócia minoritária do hospital
o sobrinho PÉRSIO (Mouhamed Harfouch), filho de Priscila, médico residente. De origem árabe, se apaixona por uma médica judia ortodoxa, mas acaba enfrentando o conservadorismo da família da moça
o motorista MACIEL (Kiko Pissolato), a princípio, cúmplice de Félix em seus planos, mas arrepende-se. Com a separação de César e Pilar, envolve-se com a patroa
o copeiro WAGNER (Felipe Titto), torna-se amante de Edith, por quem acaba se apaixonando de verdade
a empregada SIRLANGE (Vera Ferreira)
a secretária ALINE (Vanessa Giácomo), eficiente e zelosa, se aproxima de César para pôr em prática um plano de vingança. Seu verdadeiro intuito é destruir a família do médico e ficar com o dinheiro dele, que julga ser o responsável pela morte de sua mãe e pelo acidente que interrompeu a carreira de bailarina de sua tia, amante de César à época. Seduz o médico e acaba casando-se com ele para acabar com os Khoury
a ex-amante MARIAH PIATTINI (Lúcia Veríssimo), tia de Aline, arquitetou com ela o plano de vingança contra ele. No entanto, é também a mãe biológica de Paloma, fruto do relacionamento com o médico, o que acaba colocando-a contra a sobrinha em certo momento.

– núcleo de BRUNO (Malvino Salvador), corretor de imóveis, rapaz batalhador e íntegro. Após a morte da esposa e do filho recém-nascido no parto, acaba encontrando um bebê jogado numa caçamba: a filha de Paloma. Cria a menina como sua própria filha, a quem passa a se dedicar exclusivamente. No entanto, acaba apaixonando-se por Paloma, com quem se envolve sem que ambos imaginem que a garota é a filha dela. Com a verdade, o casal apaixonado entra em confronto:
a mulher LUANA (Gabriela Duarte, em participação especial), morre no início durante o parto do filho do casal, que também falece
a filha PAULINHA (Klara Castanho), filha desaparecida de Paloma, criada por Bruno como sua filha biológica, cheia de amor e carinho. Tem um ótimo relacionamento com o pai e também desenvolve uma ligação especial com a mãe, sem saber de sua origem
a mãe ORDÁLIA (Eliane Giardini), enfermeira do Hospital San Magno. Luta para melhorar a vida de todos ao seu redor, sobretudo do marido e dos filhos. Sabe a real origem de Paulinha e ajuda Bruno. Em determinado momento da história, o passado retorna em sua vida, fazendo com que ela tenha que abrir mão de certas escolhas
o pai DENIZARD (Fúlvio Stefanini), descendente de italianos e dono de um bar. Homem simples, bronco, batalhador e por muitas vezes rude, criou os filhos com dificuldades, mas ama a família acima de tudo. Apaixonado por Ordália, acaba tendo uma decepção com a esposa, o que ocasiona uma séria crise entre os dois
os irmãos: GINA (Carolina Kasting), primeira filha de Ordália, criada por Denizard como sua própria. Cozinheira de mão cheia, trabalha no bar do pai. Acha que é o patinho feio da família, e nunca se envolveu com homem algum, até se interessar justamente por quem não deveria,
CARLITO (Anderson di Rizzi), tipo divertido que sonha ser reconhecido como DJ. É completamente apaixonado pela periguete do bairro, que, na verdade, também o ama. Mas ela o despreza para tentar fisgar um milionário,
e LUCIANO (Lucas Romano), estudante de Medicina, rapaz determinado que não hesita em se envolver com uma mulher mais velha para conseguir terminar os estudos
a médica GLAUCE (Leona Cavalli), obstetra apaixonada por Bruno, que a vê apenas como amiga. Por amor, torna-se a peça-chave do segredo que une Bruno e Paulinha, já que acaba mentindo sobre o nascimento da garota para ajudá-lo. Acaba tornando-se aliada de Félix contra Paloma
o ajudante no bar de Denizrd, RINALDO (Marcelo Flores), divertido e boa-praça
o pastor EFIGÊNIO (Gláucio Gomes), ex-dono do bar onde Paloma teve o bebê, converteu-se e virou pastor evangélico. Ajuda Bruno a desvendar a verdade sobre o rapto de Paulinha
ELIAS (Sidney Sampaio), frequentador da igreja evangélica que Gina passa a frequentar, apaixona-se por ela e eles se casam no final.

– núcleo de NINHO (Juliano Cazarré), hippie de caráter elástico, tem um pé na marginalidade. Vive um amor bandido com Paloma, com quem tem uma filha, Paulinha. Mas a abandona para não assumir responsabilidades. Retorna anos depois e comete muitos delitos ao longo da trama, primeiro como cúmplice de Félix, e depois de Aline, por quem se apaixona sem imaginar que será a sua perdição:
os amigos ALEJANDRA (Maria Maya), apaixonada por Ninho, é uma mulher ambiciosa que chantageia Félix e planeja o sequestro de Paulinha. Acaba morrendo ao longo da trama,
e VALENTIM (Marcelo Schmidt), irmão de Alejandra mas com caráter oposto ao dela, trabalha na lanchonete do Hospital San Magno.

– núcleo de MÁRCIA (Elizabeth Savalla), ex-chacrete engraçada e despachada, antes conhecida como TETÊ PARA-CHOQUE E PARA-LAMA. Fez o parto de Paloma no passado. Com o declínio na carreira, precisou encontrar uma forma de sustentar a si e a filha. Para sobreviver, vende hot-dog numa van. Esperta, ambiciosa, porém dona de um coração extremamente generoso, vive instruindo a filha a dar o golpe do baú em algum milionário para que saiam da pobreza. Esconde um segredo da família Khoury que acaba auxiliando na redenção de Félix:
a filha VALDIRENE (Tatá Werneck), dona de um jeito sensual e desengonçado de ser, sonha com a fama. Incentivada pela mãe, sempre tenta dar o golpe da barriga e ter um filho de algum milionário ou famoso, mas as tentativas da dupla nunca são bem-sucedidas. Apaixonada por Carlito, acaba engravidando dele e dá à luz à bebê Marijeyne. Mas nunca perde o foco, o que gera constantes atritos entre o casal
ATÍLIO (Luís Melo), administrador do Hospital San Magno, amigo de César. Sério e honesto, sofre um acidente causado por Félix e perde a memória, o que o leva a assumir uma nova identidade, ALFREDO GENTIL, ao ser acolhido por Márcia. Apaixona-se por ela e passa a vender hot-dog com a ex-chacrete. Mas quando recupera a memória, fica com duas personalidades, dividido entre a antiga vida e o novo amor que construiu com Márcia
a mulher de Atílio, VEGA (Christiane Tricerri). Ao descobrir sua nova vida com Márcia, interdita o marido judicialmente, passando a ter controle sobre todos os seus bens
o milionário IGNÁCIO (Carlos Machado), rapaz bem intencionado, torna-se noivo de Valdirene, mas descobre no dia do casamento que ela está grávida de Carlito. Acabam reatando e ele a leva para ter uma vida milionária, até descobrir que os dois ainda se amam
a mãe de Ignácio, EUDÓXIA (Ângela Rabelo), rica e esnobe, não entende como o filho foi capaz de se apaixonar por uma periguete. Detesta Márcia e tenta fazer com que Valdirene se torne uma dama.

– núcleo de NIKO (Thiago Fragoso), dono de um restaurante japonês. Homossexual, sensível, honesto, vive uma relação sólida com seu companheiro, com quem sonha formar uma família. Quer muito ter um filho e fica empolgado quando uma antiga amiga se oferece como barriga solidária para gerar a criança. Mas não imagina que o desenrolar do seu sonho feliz será outro. Até que Félix surge em sua vida:
o companheiro ERON (Marcello Antony), advogado do Hospital San Magno, já foi casado com uma mulher antes de se apaixonar por Niko. Deixa-se manipular pela médica que se oferece para gerar o filho dos dois, com quem acaba se envolvendo. Tenta esconder a traição de Niko, mas os resultados do ato acabam afetando a vida de todos
a médica AMARILYS (Danielle Winits), dermatologista do hospital, amiga de Paloma. Sozinha e carente, aceita ser a barriga solidária de Niko e Eron, mas ao se envolver com o advogado, torna-se o pivô da separação dos dois. Acaba engravidando e julga ser fruto da relação com Eron, mas a verdade é outra. Torna-se uma mulher descontrolada, que tenta manipular a vida de todos pelos seus objetivos
o filho pequeno adotado JAYMINHO (Kayky Gonzaga)
a babá ADRIANA (Josie Antello), anteriormente empregada de César, passa a trabalhar com o casal.

– núcleo de PATRÍCIA (Maria Casadevall), secretária de Eron, ousada e moderna. É traída pelo marido na própria lua-de-mel e passa a rejeitar qualquer relacionamento formal: busca apenas noites de prazer. Até se apaixonar por um dos médicos do Hospital San Magno, com quem inicia uma relação quente e intensa:
MICHEL (Caio Castro), endocrinologista cobiçado pelas mulheres, não quer saber de relacionamentos sérios. No entanto, envolve-se com Patrícia, por quem se apaixona perdidamente. Mas esconde que ainda é casado com a mulher, que não abre mão dele e lhe recusa dar o divórcio
o ex-marido GUTO (Márcio Garcia), sedutor e mulherengo, casa-se com Patrícia no início da trama, mas a trai na lua-de-mel. Retorna tempos depois disposto a reconquistá-la e interfere na sua relação com Michel
a ex-mulher de Michel, SÍLVIA (Carol Castro), advogada. Recusa-se a dar o divórcio a Michel e, quando descobre um câncer de mama, pede a Patrícia que o deixe com ela. Mas acaba envolvendo-se com Guto e reavaliando seus sentimentos.

– núcleo de PERSÉFONE (Fabiana Karla), enfermeira do Hospital San Magno, ingênua e divertida, melhor amiga de Patrícia. Ainda não perdeu a virgindade mesmo depois dos trinta anos, o que tenta realizar a qualquer custo. Mas no fundo, sonha encontrar um amor de verdade. Vítima de bullying e preconceito, por ser virgem e gordinha, acaba tornando-se uma mulher disputada:
a amiga JOANA (Bel Kutner), enfermeira-chefe do hospital, mulher um pouco rude, mas carente. Acaba se interessando por Luciano, bem mais jovem do que ela, e não enxerga as reais intenções do rapaz
a amiga VÍVIAN (Ângela Dip), dona do bar frequentado pelos médicos do hospital, é despachada e irreverente, mas alcóolatra
o garçom ADONIRAN (Gabriel Chadan), trabalha no bar de Vívian.

– núcleo de AMADEU (Genézio de Barros), filho de Bernarda e irmão de Pilar. Homem simples, muito amável com a família e os amigos, mas que nunca deu muita sorte na vida. Acaba conseguindo cuidar da lanchonete do Hospital San Magno:
a mulher NEIDE (Sandra Corveloni), mulher passional, muito dedicada ao marido e aos filhos. Superprotege a filha caçula por ser autista, mas não percebe que dessa forma acaba atrapalhando o desenvolvimento da jovem
os filhos: LEILA (Fernanda Machado), bonita, ambiciosa e estrategista, não tem escrúpulos quando se trata de atingir seus objetivos. Convence o namorado a ser seu cúmplice em um plano para roubar a fortuna de uma jovem doente,
DANIEL (Rodrigo Andrade), fisioterapeuta do hospital, também superprotege a irmã caçula. Apaixona-se por Perséfone, com quem acaba se casando, mas o casamento fracassa
e LINDA (Bruna Linzmeyer), autista, requer cuidados especiais. Criada pela família, sobretudo pela mãe, em uma redoma imaginária, o que acabou afetando seu desenvolvimento cognitivo
o advogado RAFAEL (Rainer Cadete), apaixona-se por Linda, sendo o principal responsável por ajudá-la a superar suas limitações. Entra em atrito com Neide, que, a princípio, não aceita a relação dele com sua filha.

– núcleo de NICOLE (Marina Ruy Barbosa), jovem rica, doce e frágil, de saúde debilitada, descobre ser vítima de um câncer. Torna-se amiga de Leila sem imaginar que é alvo de um plano da moça para roubar toda sua fortuna com a cumplicidade do namorado. Acaba morrendo no momento de seu casamento ao descobrir a verdade:
THALES (Ricardo Tozzi), namorado de Leila, jornalista modesto que sonha escrever um romance. Acaba convencido pela namorada a participar de um plano para roubar a fortuna de Nicole após o casamento, mas acaba apaixonando-se pela moça. Após a morte dela, passa a ser atormentado por seu espírito
a governanta fiel LÍDIA (Ângela Rebello), uma espécie de anjo da guarda. Tenta afastá-la de Leila e Thales. Esconde um segredo relacionado à família da jovem
a filha de Lídia, NATASHA (Sophia Abrahão), descobre ser irmã de Nicole, fruto de um caso de sua mãe com o pai da moça. Instruída pela mãe, decide contestar o testamento de Nicole, e torna-se o novo alvo da raiva de Leila e do amor de Thales
o mordomo AURÉLIO (Jitman Vibranovski)
o motorista OLAVO (Rodrigo Mendonça).

– núcleo de GIGI (Françoise Forton), ex-mulher de Atílio, a quem vive pedindo dinheiro, pois insiste em viver como nos bons tempos. Socialite falida, não consegue manter o alto nível de vida do qual já usufruiu. Amiga de Pilar, é rival de Vega e, posteriormente, de Márcia. Sempre procura uma forma de se dar bem. Vai se envolver com o milionário Ignácio:
o filho MURILO (Emílio Orciollo Netto), acomodado, não trabalha, não faz nada e depende da mãe e da mesada de Atílio. Torna-se professor de etiqueta de Valdirene, com quem desenvolve grande amizade e, juntos, os dois decidem participar do BBB
a neta SANDRA (Thavyne Ferrari), filha de Murilo.

– núcleo do Hospital San Magno:
os médicos: LUTERO (Ary Fontoura), diretor clínico do hospital no início da trama, amigo de César. Competente, ético e experiente cirurgião, já foi um médico famoso, mas a velhice chegou e ele não deseja se aposentar. Luta para se manter na profissão, apesar das limitações da idade. Viúvo, vê sua vida se transformar ao se apaixonar por Bernarda e iniciar uma história de amor com ela,
HERBERT (José Wilker), entra em cena na metade da história, convocado por César, seu velho amigo, para assumir a direção clínica do hospital. No passado, teve um romance com Ordália e a abandonou. Reencontram-se anos depois quando ele se envolve com Gina, a filha dela, sendo o estopim da crise entre Ordália e Denizard e responsável indireto pela mudança de Gina, que, decepcionada, torna-se evangélica
JACQUES (Júlio Rocha), cirurgião jovem e ambicioso. De olho em um cargo melhor no hospital, não hesita em se insinuar para Félix e, posteriormente, para Pilar e Priscila
REBECA (Paula Braun), médica residente, de família judia ortodoxa. Apaixona-se por Pérsio, que tem origem árabe, e passa a viver um dilema,
ROGÉRIO (Daniel Rocha), oncologista sério e dedicado, torna-se médico de Nicole. Envolve-se com Natasha, mais tarde
LAERTE (Pierre Baitelli), meticuloso e organizado, auxilia sua amiga Amarilys a fertilizar seus próprios óvulos,
RENAN (Álamo Facó), psiquiatra, passa a cuidar da memória de Atílio. Divide apartamento com Laerte,
VINÍCIUS (André Garolli), médico de prestígio na área de pesquisa médica,
VALÉRIA (Camila Czerkes), dermatologista,
JUDITH (Ana Carbatti), tenta ajudar com o problema de Atílio,
e VANDERLEI (Marcelo Argenta), apaixona-se por Perséfone e passa a disputá-la com Daniel
os enfermeiros: CIÇA (Neusa Maria Faro), competente e de confiança, torna-se o anjo da guarda de Paulinha. A certo ponto, auxilia Paloma a investigar Aline,
ELENICE (Nathalia Rodrigues), descobre o segredo de Glauce e acaba morta pela médica dentro do hospital,
INAIÁ (Raquel Villar), relaciona-se primeiro com Jacques e, depois, com Laerte, mas é desprezada por ele quando descobre ser portadora do vírus HIV,
JEFFERSON (Celso Bernini), torna-se amigo de Valdirene e Murilo quando os três decidem entrar no BBB,
RAQUEL (Caroline Rainato), envolve-se com Carlito, largando o emprego para ser dançarina de funk em seus shows, depois que ele se torna um cantor famoso,
NORIKO (Camila Chiba), também larga o emprego para ser dançarina de funk nos shows de Carlito,
e IVAN (Adriano Toloza)
a secretária de Félix, SIMONE (Vera Zimmermann), competente, é alvo do assédio moral de Félix, que frequentemente a chama de “cadela” de forma debochada e ofensiva
as recepcionistas MARISTELA (Vera Mancini) e VERÔNICA (Miriam Lins), frequentam a mesma igreja evangélica, são as responsáveis pela conversão de Gina
a nutricionista MARILDA (Renata Castro Barbosa), cuida da cozinha do hospital
a secretária de Atílio, DIRCE (Renata Tobelem).

Primeira novela de Walcyr Carrasco no horário das nove da Globo.

A estreia de Amor à Vida foi movimentada – no sentido exato da palavra. A atração causou espanto pela direção que imprimiu agilidade na narrativa e pelas tomadas de tirar o fôlego. Mas logo a novela entrou no ritmo normal de um tradicional folhetim do autor. Aos poucos, Amor à Vida revelou-se mais uma trama comum de Walcyr Carrasco, com todas as qualidades, vícios e problemas característicos do novelista. Só não teve torta na cara.

O texto de Carrasco – que ele exige que seja declamado pelo seu elenco, ipsis litteris o que está no roteiro – foi um problema. Em Amor à Vida não faltou didatismo, repetições exaustivas de palavras e frases, diálogos artificiais e primários, em um tom muitas vezes teatral. Funciona em uma comédia de época das seis horas, mas, para o horário nobre, que pede uma trama realista, pareceu subestimar o público.

E não faltou o humor carrasquiano – outra marca do autor. Combinado com o seu texto, soou infantil muitas vezes, quando não sem graça. Várias sequências e personagens resvalaram na comédia digna de programas de humor populares e de gosto duvidoso.

No lado cômico, a novela contou com a estreia de Tatá Werneck na Globo. Excelente em personagens divertidas na MTV, a atriz chegou a ser considerada a “revelação” da novela, mas acabou por cansar com sua personagem, a periguete Valdirene, em situações repetitivas, em idas e vindas sem fim.
Esquetes humorísticos funcionam em um programa semanal, como na MTV. Mas ficam exaustivos dentro de uma novela, diariamente, durante oito meses seguidos.

Tatá Werneck brilhou mesmo em sua rápida participação na casa do BBB – não por acaso, a comediante esteve livre do texto de Carrasco e mostrou todo o seu poder de improvisação.
Valdirene protagonizou algo inédito na TV brasileira: a maior ação de conteúdo cruzado (cross content) dentro de uma novela. A personagem entrou para o Big Brother Brasil 14, no papel de participante, por 12 horas. Valdirene batalhou para entrar na casa, foi confinada em uma casa de vidro até, finalmente, entrar no reality show. Ela entrou no programa no dia 16/01/2014, dois dias após a estreia do programa, a tempo de participar da primeira festa na casa. Na trama da novela, Valdirene foi escolhida pelo público após ficar confinada com Jefferson (Celso Bernini), Murilo (Emilio Orciollo Netto) e Ellen (Dani Vieira) na casa de vidro em um shopping-center.
A atriz recebeu carta branca do autor para improvisar no BBB – ela não teve falas escritas, apenas orientações sobre como devia proceder. A brother de mentirinha, depois de ter interagido com todos os participantes, provocado discussões e momentos hilários – que foram exibidos tanto na novela como no próprio BBB -, foi eliminada um dia depois de sua chegada – por meio de uma prova fictícia – e retirada à força do programa, pois não queria sair!

Alguns personagens, quando não totalmente desnecessários e sem trama (como o quadrilátero Patrícia/Maria Casadevall, Michel/Caio Castro, Silvia/Carol Castro e Guto/Márcio Garcia) tiveram tantas modificações de personalidade ao longo da trama quanto pedia o roteiro. Ninho (Juliano Cazarré) foi um deles, que foi se transformando de acordo com as situações novas que o autor criava. Ninho se tornou um personagem mal costurado, uma espécie de Frankenstein da Teledramaturgia brasileira. Na melhor das hipóteses, não passou de um coringa nas mãos do autor, um tipo que ele podia usar a qualquer momento em alguma nova situação criada.

Perséfone foi outra personagem problemática. O autor perdeu uma excelente oportunidade de abordar de forma consistente a virgindade e o bullying pelo qual passam obesos e gordinhos. A personagem de Fabiana Karla sofreu toda espécie de humilhação gratuita, desnecessária e sem graça para, quando finalmente se casar com um príncipe encantado (seu sonho), voltar à estaca zero. Isso sem falar no malfadado “bigodinho” (a depilação íntima) da personagem, uma piada que descambou para o mau gosto.

Além do bullying, pipocou por Amor à Vida toda sorte de temas interessantes que poderiam ter gerado debates e campanhas construtivas, mas que acabaram soando avulsos e desconexos com a trama da novela, quando não mal aproveitados. O autor abordou barriga solidária, adoção, racismo, amor na terceira idade, incentivo à leitura, virgindade, bigamia, assédio moral, a questão palestinos x judeus, além de toda uma gama de doenças (lúpus, câncer, Aids, autismo, alcoolismo, etc). Se a intenção era informar, didaticamente, até conseguiu a contento. Mas a maioria desses temas foi abordada de forma superficial, sem se aprofundar ou concluir.

As indicações de livros, longe de alguma campanha em prol da leitura, soaram como o mais puro merchan. Os personagens, na maioria das vezes, paravam a cena do nada para comentar o livro que estavam lendo ou indicar algum. Ficou tão gratuito no ar que virou piada na Internet.

Também o controverso autismo da personagem Linda (Bruna Linzmeyer), tratado com muita liberdade (criativa e poética). Valeu pela abordagem inédita do tema, que despertou o interesse do público. Ainda mais através de uma personagem carismática, tão bem defendida por Bruna Linzmeyer.

Mesmo com muitas críticas ao seu estilo narrativo ou à sua história – que pecou em várias incoerências -, Amor à Vida foi bem no Ibope e teve repercussão. Com ótimos ganchos, alguns capítulos-chave e sequências de impacto, o novelista conseguiu manter o interesse de seu público cativo por oito meses seguidos, mesmo tendo que espichar a novela.
Amor à Vida não foi nenhum fenômeno de audiência, mas tampouco fez feio: fechou com uma média final de 36 pontos no Ibope da Grande São Paulo – mais que a antecessora, Salve Jorge (que fechou em 34) e menos que Avenida Brasil e Fina Estampa (39 as duas).

Contribuindo para esse sucesso, a direção eficiente de Mauro Mendonça Filho e sua equipe e o talento de alguns excelentes atores, como Elizabeth Savalla (a ex-chacrete Márcia), Vanessa Giácomo (a vilã Aline) e Mateus Solano (Félix).

Muito da repercussão da novela se deve à interpretação de Mateus Solano, de vilão “bicha má” ao regenerado mais amado do Brasil. Félix não foi o primeiro vilão gay de nossas novelas, mas, desde a primeira aparição da “bicha má”, os elogios vieram de toda parte. E merecidos. Beirando a caricatura, com língua ferina e frases de efeito, Félix foi construído para ser daqueles personagens carismáticos que arrebatam o povo. Mesmo que tenha sido questionável a mudança em sua personalidade ao longo da trama.

Entretanto, a redenção de Félix foi válida e teve um lado positivo dentro da trama da novela. Nunca a homossexualidade foi discutida de forma tão abrangente e clara dentro de um folhetim. Este, talvez, tenha sido o maior feito e contribuição de Amor à Vida. Se Carrasco tratou vários temas de interesse social de forma rasa, ao abordar a homossexualidade, através de Félix, o autor acertou em cheio e conseguiu levantar uma discussão importante. A novela que melhor havia abordado o tema foi Insensato Coração (2011). Carrasco, ao escancarar o preconceito de um pai homofóbico (César de Antônio Fagundes) contra seu filho afeminado, tocou na ferida por um viés diferente. Foi didático, mas não menos eficiente.

A regeneração de Félix trouxe consigo outro fato interessante. Lá pela metade da trama, os conflitos do casal romântico central – Paloma e Bruno (Paolla Oliveira e Malvino Salvador), se não estavam resolvidos ou esvaziados, dependiam unicamente de Félix. Foi quando vimos a “bicha má” tomar o posto de protagonista de Paloma e Bruno, que, a essa altura, já era um casal insosso e sem a torcida do público.

E, com o protagonismo de Félix, um fato inédito: pela primeira vez, o público passou a torcer por um casal protagonista gay. Carrasco teceu sua teia de forma tão engenhosa que fez Félix, que já era querido, se envolver com o gay bonzinho da história, Niko (Thiago Fragoso), arrebatando o público. Niko, de bom coração, tinha o sonho de ser pai e era um tanto quanto ingênuo e puro. O público aprovou a relação. A química dos atores também ajudou, em bonitas cenas de envolvimento emocional, que dispensaram maiores contatos físicos.

Até que, no último capítulo, a Globo decidiu pelo tão esperado e cobrado beijo gay em sua novela do horário nobre. Outras emissoras já haviam apresentado, faltava apenas a Globo se render. E, diante do sucesso de Félix e Niko, a trama de Walcyr Carrasco – importante pela sua repercussão e penetração nos lares brasileiros – entrou para a história com uma belíssima cena final, que teve beijo gay e a reconciliação do pai homofóbico com seu filho afeminado.

O beijo gay gerou expectativa e controvérsia, mas foi bem recebido pelo público. Na novela América (2005), de Glória Perez, um beijo gay chegou a ser gravado, mas acabou sendo vetado pela emissora pouco antes de ser exibido, no último capítulo da novela.
Em 1963, o teleteatro Calúnia, exibido no TV de Vanguarda da TV Tupi, apresentou o primeiro beijo entre mulheres (com Vida Alves e Geórgia Gomide) de nossa Teledramaturgia.
Em 1990, a minissérie Mãe de Santo, da TV Manchete (escrita por Paulo César Coutinho), exibiu o primeiro beijo entre dois homens (com os atores Raí Alves e Daniel Barcellos) da TV brasileira, mas com pouca repercussão.
O primeiro beijo homossexual em uma novela foi exibido pelo SBT, em Amor e Revolução (2011), de Tiago Santiago, entre as personagens Marcela (Luciana Vendramini) e Marina (Giselle Tigre).

A novela teve gravações no Peru. Para lá, viajou uma equipe formada por mais de 40 pessoas. Além de Cusco e Machu Picchu, Arequipa, Colca Canyon, Ollantaytambo e Sacsayhuaman foram escolhidos para receber a novela e ambientar algumas cenas. Para os dias de trabalho no Peru, foram transportados 700 quilos de equipamentos, 26 malas de figurino e a equipe ainda contou com o apoio de uma produtora local.

A escolha do Peru como locação para teve uma explicação.
“Fiz uma viagem, aos 20 anos, como mochileiro para lá e me encantei. Relembrei muitas aventuras para criar as histórias”, contou Walcyr Carrasco.
Sete meses antes de começar a gravação, ele, Mauro e Wolf Maya, diretor de núcleo, viajaram juntos para decidirem de perto os cenários.

A cidade de São Paulo era o cenário fixo de Amor à Vida. Além de gravar nas cidades cenográficas, construídas no Projac com elementos paulistanos, a novela viajou até lá para passear por regiões distintas, como o Vale do Anhangabaú, a Avenida Paulista, a Ponte Estaiada, o Memorial da América Latina, os bairros do Bixiga e da Liberdade, o Parque Villa Lobos, a Praça do Pôr do Sol e as ruas do centro da cidade, como a 25 de Março, onde a personagem Márcia vendia hot-dogs.

Um dos principais cenários da novela era o fictício hospital San Magno, da família Khoury, construído na cidade cenográfica no Projac. Ele reunia, além da recepção e salas dos médicos, uma entrada de emergência, o pátio de ambulâncias, lojas de conveniências, livraria, refeitório e floricultura. Na trama, o hospital estava localizado na Avenida Paulista.
O hospital ficticio foi construído no mesmo local onde foi construída a mansão da família Tufão da novela Avenida Brasil, e foi considerado o maior cenário já criado pela emissora até então. Eram 8 mil metros quadrados no total, o que equivalia a uma cidade cenográfica por si só. Por meio de computação gráfica, foram inseridos 30 andares.

Todo o elenco participou de encontros e palestras em um hospital do Rio de Janeiro para entender o dia a dia de quem vive essa realidade. Paola Oliveira – que viveu uma pediatra na trama – passou um dia inteiro acompanhando o trabalho de uma profissional da área, com quem conversou para entender as questões subjetivas e internas, a missão do médico.

A abertura foi assinada pelo norte-americano Ryan Woodward, conhecido em Hollywood por ter sido animador de filmes como Branca de Neve e o Caçador, Os Vingadores, Homem de Ferro 2, Homem Aranha 2 e 3, entre outros.
Na novela, Woodward utilizou o recurso dos desenhos e traços animados para mostrar um casal que dança diante de cenários famosos da cidade de São Paulo. As filmagens foram realizadas com dois atores, cujas figuras foram, posteriormente, substituídas pelos traços do animador.

Na trama da novela, a personagem Nicole, interpretada por Marina Ruy Barbosa, descobriu que tinha um Linfoma de Hodgkin tipo 4 e teria que raspar o cabelo. Porém, ela mudou de idéia em cima da hora e impediu que sua cabeça fosse raspada. A mídia começou a especular que isso teria sido opção da própria atriz, famosa pelos seus cobiçados cabelos ruivos e, por conta deles, alvo de campanhas publicitárias. A atriz desmentiu o boato e o próprio autor se pronunciou, afirmando que ele mesmo optou pela mudança da trama em função dos pedidos dos fãs.
Nicole acabou morrendo, no dia do seu casamento com Thales (Ricardo Tozzi). Walcyr Carrasco foi muito criticado pela morte da personagem, porque o câncer Linfoma de Hodgkin tipo 4 é curável, com grande percentual de cura. Houve rumores de que isto poderia ter sido uma espécie de “vingança” do autor, pelo fato da atriz não ter aceitado raspar a cabeça. Todavia, a atriz continuou aparecendo na trama por um tempo: Nicole surgia para Thales em espírito. Logo Nicole saiu de cena e Thales ganhou um novo interesse amoroso: a jovem atriz Sophia Abrahão foi convocada para viver Natasha, meia-irmã de Nicole, igualmente ruiva e de cabelos fartos. Mas Natasha não precisou ter sua cabeça raspada.

Também gerou burburinho o cabelo do menino negro Kayky Gonzaga, que viveu Jaiminho, filho adotivo de Niko (Thiago Fragoso). Walcyr Carrasco solicitou que a vasta cabeleira afro do garoto fosse cortada, o que gerou protestos entre alguns telespectadores, que o acusaram de racista e preconceituoso.

Em entrevista ao portal UOL, o ator Marcello Antony deixou claro sua insatisfação com os rumos de seu personagem, Eron. O fato repercutiu na mídia e Walcyr Carrasco chegou a se pronunciar. Também os atores Ricardo Tozzi, Rodrigo Andrade e Juliano Cazarré, logo desmentidos por eles mesmos ou pelo autor.

Participações especiais dos jogadores Neymar e Alexandre Pato, do apresentador Luciano Huck, do cantor Gusttavo Lima, do nadador Gustavo Borges e do lutador Vitor Belfort (as celebridades assediadas por Valdirene) e de Boninho, Pedro Bial e Vinícius Valverde (quando Valdirene entrou para o BBB). Também da cantora Anitta, que fez um pocket-show no bar frequentado pelos personagens da novela.

Inicialmente, o personagem Niko, de Thiago Fragoso, iria ser vivido pelo ator Paulo Vilhena, porém este desistiu, já que iria protagonizar a série A Teia.
Paolla Oliveira também estava envolvida na escalação de Jóia Rara, a próxima trama das seis, para viver um papel de destaque, porém a atriz desistiu e preferiu viver a mocinha Paloma.

Por suas atuações na novela, Mateus Solano e Elizabeth Savalla foram eleitos pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) os melhores ator e atriz da televisão em 2013 (ela empatada com Bianca Comparato, pela série A Menina Sem Qualidades).
Amor à Vida foi também premiada com o Troféu Imprensa de melhor novela de 2013, melhor ator (Mateus Solano), melhor atriz (Vanessa Giácomo) e revelação do ano na TV (Tatá Werneck).

O título provisório de Amor à Vida era Em Nome do Pai, que teria sido mais condizente com a trama da novela.

Trilha Sonora Nacional

amoravidat1
01. PIRADINHA – Gabriel Valim (tema de Valdirene)
02. PONTES INDESTRUTÍVEIS – Charlie Brown Jr. (tema geral)
03. AS MINA PIRA NA BALADA – Gusttavo Lima
04. MEIGA E ABUSADA – Anitta (tema de Leila)
05. AS CURVAS DA ESTRADA DE SANTOS – Lulu Santos (participação Késia Estácio) (tema de Márcia e Gentil)
06. TREM DAS ONZE – Zeca Pagodinho (tema da família de Denizard)
07. O AMOR EM PAZ – Ivete Sangalo (tema de Pilar e César)
08. UM SER AMOR – Paula Fernandes (tema de Paloma e Bruno)
09. FOFINHA DELÍCIA (EXCESSO DE GOSTOSURA) – Sorriso Maroto (tema de Perséfone)
10. AMOR, AMOR – Wanessa (tema de Patrícia)
11. COMBUSTÍVEL – Ana Carolina (tema de Edith e Félix e tema de César e Aline)
12. VOCÊ NÃO PODIA SURGIR AGORA – Roberta Sá
13. CAIO NO SUINGUE – Pedro Luís & A Parede (tema de Patrícia e Michel)
14. NA SELVA DE PEDRA – Conexão Baixada (tema de locação: São Paulo)
15. MARAVIDA – Daniel (tema de abertura)
16. AMOR À VIDA – Nando Reis
17. DANÇANDO NA GAROA – Jammil (tema de locação: São Paulo)
18. SAMBAS URBANOS – Rodrigo Pitta (participação Edi Rock) (tema geral)

Trilha Sonora Internacional

amoravidat2
01. WHEN I WAS YOUR MAN – Bruno Mars (tema de Paloma e Bruno)
02. JUST GIVE ME A REASON – Pink featuring Nate Ruess (tema de Márcia)
03. PROUD – Heather Small (tema de Niko)
04. BRAND NEW ME – Alicia Keys (tema de Patrícia e Michel)
05. GET LUCKY – Daft Punk featuring Pharrell Williams (tema geral)
06. UP IN THE AIR (EXPLICIT) – 30 Seconds To Mars (tema de locação)
07. WE CAN´T STOP – Miley Cyrus (tema de Jonathan)
08. BUSY (FOR ME) – Aurea (tema de Perséfone)
09. THE STARS (ARE OUT TONIGHT) – David Bowie (tema de locação: bar de Vivian, e tema de Patrícia e Michel)
10. IT´S OVER – Rod Stewart (tema de Valdirene e Carlito, e tema de Pilar)
11. BAD – Groovy Waters
12. LOVE YOU IN THOSE JEANS – P9 (tema geral)
13. WAKE UP AND LOVE ME – Casey Thompson (tema de Valdirene)
14. UN VESTIDO Y UN AMOR – Caetano Veloso (tema de Ninho e Paloma)
15. CI SONO PENSIERI – Mariella Nava (tema de Ordália, Herbert e Gina)

Trilha Sonora Instrumental: música original de Iuri Cunha

amoravidat3
01. ANDEAN OVERTURE
02. ANDEAN FLIGHT
03. ANDEAN TRACKING
04. PAN IN MACHU PICCHU
05. DIÁRIO DE UMA ESPERA
06. PRIMEIRO BEIJO
07. MISSING YOU FOREVER
08. VIDAS CRUZADAS
09. PRAIA DOS AMORES
10. LONELINESS
11. AMORES DE ILHÉUS
12. ASTRO INSONE
13. MELANCOLIA DE MÁRCIO

ainda
CLAIR DE LUNE – instrumental (tema de Nicole)
I HAVE THE LOVE – Simply Red (tema de Lutero e Bernarda)
SUMMERTIME SADNESS – Lana Del Rey (tema de Félix e Edith)
THE PERFECT LIFE – Moby featuring Wayne Coyne (tema de Linda e Rafael)
EMPATHY – Alanis Morissette (tema de Thales)

Tema de Abertura: MARAVIDA – Daniel

Era uma vez eu no meio da vida
Essa vida assim, tanto mar, tanto mar
Coisa de doce e de sal
Essa vida assim, tanto mar, tanto mar
Sempre o mar, cores indo
Do verde mais verde ao anil mais anil
Cores do sol e da chuva
Do sol e do vento, do sol e o luar

Era eu nua na rua
Usando e abusando do verbo provar
Um beija-flor, flor em flor, bar em bar
Bem ou mal margulhar, mergulhar
Sempre menina franzina, traquina
De tudo querendo, provar e provar
Sempre garota, marota, tão louca
A boca de tudo querendo levar

Vida, vida, vida!
Que seja do jeito que for
Mar, amar, amor
Se a dor quer o mar dessa dor
Quero no meu peito repleto
De tudo que possa abraçar e abraçar
Quero a sede e a fome eternas
De amar, e amar, e amar, e amar…

Veja também

  • ooutrolado

O Outro Lado do Paraíso

  • etamundobom

Eta Mundo Bom!

  • verdadessecretas_logo

Verdades Secretas

  • carasebocas_logo

Caras e Bocas