Sinopse

Uma história romântica, passada no Rio de Janeiro da década de 40, que narra a ascensão de uma cantora de música popular durante o período áureo do rádio. Uma época conturbada, na qual grandes acontecimentos políticos se mesclam ao glamour do mundo do rádio e de suas principais estrelas.

A escalada de Isa Galvão como cantora de rádio começa em Roseiral, pequena localidade vizinha à Volta Redonda, em 1943. O Brasil já havia declarado guerra ao Eixo e a cidade natal de Isa, que presencia a construção da Companhia Siderúrgica Nacional, espelha os problemas de um país em estado de combate: treinos de black-out, a presença nas ruas da polícia política do governo Vargas, a espionagem alemã. É nesse clima que a jovem Isaura Pereira, corista da igreja, começa a sonhar com uma carreira profissional em uma rádio da capital. Ela mora com seus pais, Belmiro e Olga, além de seu tio Felipe, irmão de Olga.

A moça conhece o Capitão Hélio Aguiar, um militar íntegro e patriota que está na cidade para investigar Felipe, suspeito de colaborar com uma rede de espionagem nazista. No passado, o tio de Isa já havia sido preso por participar das atividades da Ação Integralista. Mesmo jurando inocência, Felipe é preso e transferido para o Rio de Janeiro, o que acaba por precipitar a ida de Isaura para a capital.

No Rio, ela conhece Mário Lopes, um pianista boêmio, que se apaixona por ela e procura ajudá-la em sua carreira. Isa também se encanta por ele, mas fica dividida entre o artista e o militar com quem já se envolvera profundamente. Hélio, porém, é noivo de Beatriz, o que não impede que ele se entregue completamente à cantora.

Chegando ao Rio de Janeiro, Isa conhece Armando Vásquez, dono da Rádio Carioca, casado com Dulce, mas que mantem um caso amoroso velado com sua ajudante Velma, uma ex-vedete. É Armando quem lança Isaura como a cantora Isa Galvão.

O universo da Guerra permeia toda a trama: da preparação do Brasil para participar da mesma ao embarque dos personagens que seguem junto com a Força Expedicionária Brasileira (FEB) para os campos de batalha da Itália. Para ilustrar o clima criado pela Segunda Guerra, alguns personagens mostram a realidade dos judeus que fugiram de seus países para escapar ao Holocausto e se refugiaram no Brasil. Entre eles, a jovem Bella Landau, que é salva de morrer nos campos de concentração por Axel Bauer, um oficial nazista, que se apaixona por ela. Axel torna-se um desertor do exército alemão ao fugir com Bella para o Brasil, mas os dois têm dificuldades para entrar no país. O Sr. Jakob, Sofia e o Dr. Álvaro também ajudam as pessoas que chegavam ao país fugindo da Europa em conflito.

Globo – 23h
de 22 de agosto a 1 de dezembro de 2000
60 capítulos

minissérie de Lauro César Muniz
colaboração de Rosane Lima
direção de Marcelo Travesso e Carlo Milani
direção geral de Jayme Monjardim e Carlos Magalhães
núcleo Jayme Monjardim

EDSON CELULARI – Capitão Hélio Aguiar
MARIA FERNANDA CÂNDIDO – Isaura (Isa Galvão)
THIAGO LACERDA – Mário Lopes
MARCO RICCA – Felipe Martins
ÂNGELA VIEIRA – Velma
ODILON WAGNER – Armando Vásquez
NATÁLIA DO VALLE – Dulce
PAULO GOULART – Gabriel La Guardia
GRACINDO JÚNIOR – Ramón Garcia
OTHON BASTOS – Coronel Mendes
DANIELA ESCOBAR – Bella Landau
GILBERTO MARMOROSCH – Jakob Manheimer
GRAÇA BERMAN – Sofia
BETE MENDES – Olga
SEBASTIÃO VASCONCELOS – Belmiro
CLÁUDIO MARZO – Rodolfo
NICETTE BRUNO – Glória
LUCIANO SZAFIR – Maurício
DÉBORA OLIVIERI – Fanny
FERNANDA MUNIZ – Clarita
JOÃO SIGNORELLI – Álvaro
FERNANDA RODRIGUES – Luísa
TALITA DE CASTRO – Marina
ROBERTO BATTAGLIN – Tenente Gomes
MYRIAN RIOS – Zuleica
THIERRY FIGUEIRA – Milton
ELOÍSA MAFALDA – Margarida
ADRIANA LESSA – Neide
NORTON NASCIMENTO – Bemol
SÍLVIO GUINDANE – Dagô (Gilberto)
CHICA XAVIER – Celeste
MARCOS FROTA – Casaca
DANDARA GUERRA – Maria
FLÁVIA ALESSANDRA – Beatriz
RUY REZENDE – Gastão
MALU VALLE – Soraya
GÉRSON DE ABREU – Pipo
REGINA REMESCIUS – Anna Pekelman
FELIPE KANNEMBERG – Axel Bauer
OLIVETTI HERRERA – Tenente Rafael
ERNANI MORAES – Ivo
JOSÉ STEIMBERG – Max Bronstein
IVONE HOFFMAN – Ruth Bronstein
LOUISE WISCHERMAN – Tatiana
as crianças
ANDRÉ LUIZ MIRANDA – Pitu
SAMUEL COSTA – Dirceu
THIAGO OLIVEIRA – Brasito
THIAGO FARIAS – Amendoim
CAROLINA MACIEIRA – Zezé
e
ADRIANA TOLENTINO – Jurema
ALEXANDRE DA COSTA – Juca do Batuque
ALÉXIA DESCHAMPS – Helen
ANA BAIRD – Rosa (telefonista)
ANA CAROLINA DIAS
ANA ROSA – Salete
ANDRÉ BARROS – Sargento Raimundo
ANDRÉIA MATTAR – crooner
BRUNO GIORDANO – agente
CAIO JUNQUEIRA – Paulo
CARLOS GREGÓRIO – Dr. Estêvão
CLÁUDIO MENDES – sacristão
CLEMENTE VISCAÍNO – Dr. Erasmo
CRISTINA PROCHASKA – Flora (antiga namorada do Capital Hélio [Celulari], que o ajuda a se livrar da impotência)
DANIHÉLIA NEPPI
DAVID BRAZIL – Norberto
DAVID CORRÊA
DUDA RIBEIRO – policial
EXPEDITO BARREIRA – sargento
FAUSTO MAULE – Luiz Antônio
FRANCISCO MILANI – Dr. Jairo
GRACE COHN
GRAZIELLA MORETTO – Calu
GUILHERME CORRÊA – Padre José
ÍGOR LAGE – Sebastião (soldado na guerra)
JACKSON ANTUNES – Major Wálter
JAIME LEIBOVITCH – Dr. Wálter
JARDEL MELLO – padre
JONAS MIQUÉIAS – crooner
JOSÉ RÚBENS CHACHÁ – Capitão Mota
JULIANA GUIMARÃES – Jacira
LAURA LUSTOSA – Major Margareth
LÉO WAINER – Dr. Vicente (chefe de Belmiro)
LUIS FERNANDO PETZHOLD – soldado na guerra
MARCÉLIA CARTAXO – Dora
MARCELO ESCOREL – policial
MARCELO SOUTO MAIOR – soldado na guerra
MARCELO TORREÃO – ator na rádio
MARCOS WAIMBERG – judeu
MARÍLIA BARBOSA – Elisinha
MILENA VIEIRA
NAURA SCHNEIDER – Valnízia (secretária de Armando)
NILDO PARENTE – Embaixador Atílio
ORION XIMENES – Joaquim (motorista)
PATRÍCIA DINELY – atriz na rádio
PAULO CÉSAR GRANDE – Dr. Décio
REYNALDO GONZAGA – Capitão José
ROBERTO FROTA – Ribeiro
ROBERTO PIRILO – Dr. Argeu
SERAFIM GONZALEZ – Aníbal
TADEU DI PIETRO – agente
TAMARA TAXMAN – Elisa
THELMO FERNANDES – cantor na rádio
TRACY SEGAL – crooner
ZUZU ABU – atriz na rádio
Luís
A dupla Lauro César Muniz e Jayme Monjardim tentaram repetir o sucesso de seu trabalho anterior, a minissérie Chiquinha Gonzaga. Mas dessa vez não conseguiram cativar o público, apesar da belíssima produção, fotografia e direção de arte que reproduziram os anos 40, uma época conturbada pela guerra na Europa mas com reflexos no Brasil.

Cortes abruptos das cenas, problemas no horário de exibição e até desentendimentos entre autor e diretor prejudicaram o bom andamento do trabalho.

O grande destaque no elenco foi a atriz Daniela Escobar, que teve noções de romeno e aprendeu a falar com sotaque, emagreceu dez quilos e cortou os cabelos de forma irregular, desempenhando perfeitamente sua personagem, a sofrida judia Bella Landau, que fugia do Nazismo na Europa.

A minissérie foi gravada na cidade de São José do Barreiro (SP) e em Conservatória (SP), além da cidade cenográfica montada no Projac.

Os capítulos eram entremeados por imagens de época, inseridas no vídeo como contextualização da trama.

Paulo Lóis, que assinou os figurinos da minissérie, encontrou uma boa parte das roupas e acessórios dos personagens em brechós do Rio de Janeiro e, especialmente, de São Paulo. Depois de muita pesquisa, sua equipe ainda precisou tingir, restaurar e adaptar as peças para cada ator.

Antes de começar a gravar, o elenco de Aquarela do Brasil assistiu a uma oficina de contextualização organizada pela Central Globo de Produção. Durante dois dias, eles ouviram palestras, analisaram objetos, leram textos com as professoras de expressão corporal Leila Mendes e Rossana Terranova e assistiram a filmes e documentários que possibilitaram uma plena imersão no ambiente cultural dos anos 40. Mário Lago contou sua experiência nos anos gloriosos do rádio, quando trabalhou como roteirista, ator e jornalista. O judeu Aleksander Henyk Laks deu um emocionante depoimento sobre o campo de concentração de Auschwitz, ao qual, milagrosamente, conseguiu sobreviver. E o professor Rodrigo Pato Sá e a pesquisadora Madalena Prado deram uma aula sobre a participação brasileira na Segunda Guerra Mundial.

A campanha publicitária de Aquarela do Brasil partiu da idéia de justapor ficção e realidade através de uma estratégia que aguçou a curiosidade dos telespectadores: os depoimentos de uma refugiada judia, um ex-combatente da Segunda Guerra e uma cantora da Era de Ouro do rádio.

Aproveitando a sua exibição, chegou às livrarias ‘A Década de 40 Através da Minissérie Aquarela do Brasil.

Trilha Sonora

aquarelat
01. PODER DA CRIAÇÃO – Alcione
02. POR TODA VIDA (tema de Isa) – Marcus Vianna e Transfônica Orkestra
03. SEGREDO – Maria Bethânia
04. NERVOS DE AÇO – Paulinho da Viola
05. BLUE MOON – Mel Torme
06. LA ENORME SOLEDAD – Paula Santoro
07. NO MEXE-MEXE NO BOLE-BOLE – Dudu Nobre
08. À MEDIDA DA PAIXÃO – Fafá de Belém
09. SABOR A MI – Laura Fygi
10. SAMBA RASGADO – Ney Matogrosso
11. CLAIR DE LUNE – Marcus Vianna
12. AQUARELA DO BRASIL – Roberta Lombardi
13. MADAME BUTTERFLY – Sagrado Coração da Terra
14. TEU LINDO OLHAR – Emílio Santiago

Trilha Sonora Complementar: Trilhas e Temas Volume 5 – Marcus Viana
Obras inéditas de O Clone, Aquarela do Brasil, A Sonata e Serras Azuis

clonet7
01. PARA TODO O SEMPRE de Aquarela do Brasil
02. AS DUNAS INFNITAS de O Clone
03 COMO UMA NUVEM de O Clone
04. SOB O SOL (instrumental) de O Clone
05. IRMÃOS de O Clone
06. O MISTÉRIO DA VIDA de O Clone
07. SOB O SOL (instrumental) de O Clone
08. A MIRAGEM (instrumental) de O Clone
09. OSÍRIS de O Clone
10. UMA VISÃO DE LÁ de O Clone
11. BAJO EL SOL de O Clone
12. ADÁGIO DE FEZ de O Clone
13. A SONATA EM LÁ MENOR de A Sonata
14. TEMA DE SERRAS AZUIS de Seras Azuis

Tema de Abertura: AQUARELA DO BRASIL – Roberta Lombardi

Brasil , meu Brasil brasileiro
Meu mulato izoneiro
Vou cantar-te nos meus versos
O Brasil, samba que dá
Bamboleio que faz gingar
O Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil, pra mim, pra mim, pra mim
Abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do serrado
Bota o rei Congo no congado
Brasil, pra mim
Deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda a canção do meu amor
Quero ver essa dona caminhando
Pelos salões arrastando o seu vestido rendado
Brasil, pra mim, par mim, pra mim
Brasil, terra boa e gostosa
Da morena senhora de olhar indiferente
O Brasil, samba que dá
Bamboleio que faz gingar
O Brasil do meu amor
Terra de Nosso Senhor
Brasil, pra mim, pra mim, pra mim
Ô, esse coqueiro que dá côco
Onde amarro a minha rede nas noites claras de luar
Brasil, pra mim
Ah, ouve essas fontes murmurantes
Aonde eu mato a minha sede
E onde a lua vem brincar
Ah, esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra de samba e pandeiro
Brasil, pra mim, pra mim, Brasil…

Veja também

  • zaza_logo

Zazá

  • chiquinhagonzaga_logo

Chiquinha Gonzaga

  • cidadaobrasileiro_logo

Cidadão Brasileiro

  • poderparalelo_logo

Poder Paralelo