Sinopse

Quando a chapa esquenta e tudo está prestes a derreter, é Marlene (Ingrid Guimarães) quem segura as pontas. A dona do salão de beleza conta com a ajuda do fiel escudeiro, o cabeleireiro e ex-namorado, Fran (Tiago Abravanel), e da manicure Josy (Renata Gaspar). A empresária corta um dobrado com a dupla. Fran vive com a cabeça no passado e não se conforma por ter voltado para São Gonçalo após ter cuidado do visual das famosas nos inesquecíveis tempos em que trabalhou na Globo e dos quais se vangloria até hoje. Já Josy tem o dedo podre para relacionamentos e vive às voltas com seus afetos.

Apesar dos percalços, Marlene tem uma vida feliz. Ela é casada com Genésio (Leandro Hassum), um desempregado profissional e boa praça, apaixonado pela mulher. Genésio bate ponto no bar da Creuza (Ana Baird), que trata o malandro a pão-de-ló e avisa: se Marlene não o quiser, ela garante casa, comida e roupa lavada.

O sargento Bigode (Lúcio Mauro Filho) não quer confusão na sua área, mas ele mesmo causa uma série de problemas quando se envolve com Josy, noiva de ninguém menos que Godzila (Paulo Américo), chefe do tráfico na região que, apesar de estar cumprindo pena, continua dominando os bandidos do local. Perto de Bigode, Noronha (Eduardo Estrela), seu subordinado, poderia ser considerado um ingênuo. Ele admira seu superior a quem segue as ordens como um cão fiel. Noronha sequer completou o supletivo, mas tem mania de corrigir o sargento, o que sempre acaba em bronca.

Assim como Marlene, que tem Fran como seu parceiro, e Bigode que tem Noronha, Genésio conta com Marreta (Paulinho Serra) para os seus quase sempre desajeitados planos de descolar uma graninha.

Globo – 22h30
estreia: 9 de abril de 2015

criação de Cláudio Paiva
redação de Jovane Nunes, Victor Leal e Cláudio Paiva
redação final de Cláudio Paiva
direção de Patrícia Pedrosa e Rafael Miranda
direção geral e núcleo de José Alvarenga Jr.

INGRID GUIMARÃES – Marlene
LEANDRO HASSUM – Genésio
THIAGO ABRAVANEL – Fran
RENATA GASPAR – Josy
LÚCIO MAURO FILHO – Sargento Bigode
PAULO AMÉRICO – Godzila
ANA BAIRD – Creuza
EDUARDO ESTRELA – Noronha
PAULINHO SERRA – Marreta
MILA RIBEIRO – Dona Gracinha
THALITA CARAUTA – Selma
OSCAR MAGRINI – Nelson
Série de humor substituta à vaga de A Grande Família, às quintas-feiras à noite. Não por acaso, o roteirista chefe é o mesmo da série da Família Silva. E Tonico Pereira, o Mendonça, reapareceu em uma participação especial no primeiro episódio de Chapa Quente.

Chapa Quente se passa no subúrbio do município de São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro.

Sobre o cenário árido e os temas quentes da série, comentou o diretor de núcleo José Alvarenga Jr:
“O calor está piorando a cada ano e as cidades estão cada vez menos preparadas para ele. Nesse cenário onde falta água, faltam ruas arborizadas, parques públicos, nessas circunstâncias áridas, as pessoas ficam mais incomodadas umas com as outras. E as relações interpessoais dos personagens de Chapa Quente são trabalhadas nessa temperatura elevada.”

Para representar a elevada sensação térmica na qual os personagens vivem, o produtor de arte Julio Callado abusou das sombrinhas e leques com os quais os moradores da cidade estarão em grande parte das cenas. Callado ainda criou uma propaganda de água mineral com uma modelo se banhando no mar, que estampa um outdoor da cidade cenográfica, em contraste com a realidade seca e árida vivida pelos personagens.
“Estamos produzindo esses elementos para reforçar a ideia do calor, que perpassa todos os episódios e é uma identidade do programa”, explicou Callado.
A cidade cenográfica também conta com um grande termômetro, criado pelo cenógrafo Cláudio Domingos, para marcar a elevada temperatura do local.

As gravações externas predominam e contribuem para compor a sensação de “chapa quente” aos olhos do telespectador: cerca de 70% dos takes são a céu aberto.

Tema de abertura: INÚTIL

A gente não sabemos escolher presidente
A gente não sabemos tomar conta da gente
A gente não sabemos nem escovar os dente
Tem gringo pensando que nóis é indigente

Inútil!
A gente somos inútil
Inútil!
A gente somos inútil

A gente faz carro e não sabe guiar
A gente faz trilho e não tem trem pra botar
A gente faz filho e não consegue criar
A gente pede grana e não consegue pagar

Inútil!
A gente somos inútil
Inútil!
A gente somos inútil

A gente faz música e não consegue gravar
A gente escreve livro e não consegue publicar
A gente escreve peça e não consegue encenar
A gente joga bola e não consegue ganhar

Inútil!
A gente somos inútil
Inútil!
A gente somos inútil

Veja também

  • filhosdapatria

Filhos da Pátria

  • sobpressao

Sob Pressão

  • aformula

A Fórmula

  • vaderetro

Vade Retro