Sinopse

“Tudo o que acontece de ruim na vida da gente é pra meiorá”. Este é o lema de Candinho (Sèrgio Guizé). Não tem tempo ruim para este charmoso matuto, que não abandona o otimismo mesmo com tantos percalços em seu caminho. Nosso herói foi separado da mãe logo após seu nascimento e foi acolhido pelo casal Cunegundes (Elizabeth Savala) e Quinzinho (Ary Fontoura), donos de uma fazenda, no interior de São Paulo. Mas quando cresce, Candinho vira empregado nessa casa e é expulso por se apaixonar pela primogênita, Filomena (Débora Nascimento).

Pancrácio (Marco Nanini), amigo da família que criou Candinho e seu grande mentor, o aconselha a seguir para a capital em busca da mãe biológica, Anastácia, que ele nunca conheceu. Assim Candinho o faz junto de seu inseparável burro, Policarpo. A mãe (Eliane Giardini), a esta altura, é uma viúva milionária e também está à procura do filho na capital. Mas Anastácia não faz ideia de que a sobrinha, Sandra (Flávia Alessandra), fará de tudo para atrapalhar esse encontro, pois teme perder a posição de herdeira. A personificação da falsidade, na frente de Anastácia, Sandra é doce e generosa, mas por trás, é gananciosa e interesseira.

Sem se deixar abater, Candinho enfrenta as mais diversas situações para sobreviver na cidade grande, onde conhece seu fiel amigo, o garoto Pirulito (JP Rufino). Além da busca incessante pela mãe, ele também vai lutar pelo amor de Filomena, que agora mora na capital e vive uma relação com o possessivo Ernesto (Eriberto Leão). Com uma lábia infalível, o vilão conheceu Filomena e a convenceu a fugir com ele para a capital com a promessa de casamento. Mas o mundo de Filó desaba quando os dois chegam em São Paulo. Além de não cumprir com o prometido, Ernesto praticamente obriga a moça a se tornar uma dançarina num dancing club e fica com a maior parte do dinheiro que ela ganha no local.

Globo – 18h
de 18 de janeiro a 27 de agosto de 2016
191 capítulos

novela de Walcyr Carrasco
escrita por Walcyr Carrasco e Maria Elisa Berredo
colaboração de Daniel Berlinsky, Marcio Haiduk, Cláudia Tajes, Nelson Nadotti e Vinícius Vianna
direção de Ana Paula Guimarães, Marcelo Zambelli e Diego Morais
direção geral de Jorge Fernando
direção artística de Jorge Fernando

Novela anterior no horário
Além do Tempo

Novela posterior
Sol Nascente

SÉRGIO GUIZÉ – Candinho
MARCO NANINI – Professor Pancrácio / Pandolfo
ELIANE GIARDINI – Anastácia
FLÁVIA ALESSANDRA – Sandra
ERIBERTO LEÃO – Ernesto
DÉBORA NASCIMENTO – Filó (Filomena)
ELIZABETH SAVALLA – Cunegundes
ARY FONTOURA – Quinzinho
CAMILA QUEIROZ – Mafalda
BIANCA BIN – Maria
RAINER CADETE – Celso
ROSI CAMPOS – Eponina
ANDERSON DI RIZZI – Zé dos Porcos
KLEBBER TOLEDO – Romeu
FLÁVIO MIGLIACCIO – Josias
SUELY FRANCO – Paulina
FLÁVIO TOLEZANI – Dr. Afonso Araújo
PRISCILA FANTIN – Diana
TARCÍSIO FILHO – Severo
RÔMULO ARANTES NETO – Braz
GUILHERMINA GUINLE – Ilde
ANA LÚCIA TORRE – Camélia
ARTHUR AGUIAR – Osório
GIOVANNA GRIGIO – Gerusa
DHU MORAES – Manoela
MIGUEL RÔMULO – Quincas
JENNIFER NASCIMENTO – Dita
MARIA ZILDA BETHLEM – Ema
MARIANA ARMELINNI – Clarice
MARIA CAROL – Olga
JULIANE ARAÚJO – Sarita
MARCELO ARGENTA – Lauro
MARILU BUENO – Dona Narcisa
CLEITON MORAIS – Tobias
ROSANE GOFMAN – Olímpia Castelar
CLÁUDIO TOVAR – Evandro
DAVID LUCAS – Jack
MAURO MENDONÇA – Inácio
MÁRCIO TADEU DE LIMA – Romualdo
KENYA COSTTA – Quitéria
MARCELO GONÇALVES – Cara de Cão
GABRIEL CANELLA – Vermelho
as crianças
JP RUFINO – Pirulito
XANDE VALOIS – Claudinho
NATHALIA COSTA – Alice
e
ADRIANO PETERMAN – Tigre (bandido contratado para matar Candinho na saída do seu casamento com Sandra)
ALDO PERROTA – jogador de poquer que ganha de Romeu
ALEXANDRE DA COSTA – Alcides do Amaral (pretendente de Eponina que matava suas ex-mulheres queimadas)
ALEXANDRE LINO – do casal de caipiras para quem Romeu vende um falso bilhete premiado, no último capítulo
ALEXANDRE VICTOR – Candinho (criança)
ALEX TEIX – dá dinheiro a Pancrácio quando ele está disfarçado de escoteiro
ALICE BORGES – falsa mãe de Diana
ALLAN FROIS – médico que atendeu Aninha, o bebê de Maria
ANA BARROSO – Carlota (mãe de Leandro, mulher de Eugênio)
ANDRÉA DANTAS – mulher de Inácio que interrompe o casamento dele com Eponina
ANJA BITTENCOURT – diretora de escola onde procuram Candinho
BETO BELINNI – tem o terno estragado por Candinho quando este tenta vender um tira manchas na praça
BETO VANDESTEEN – Godofredo (escrivão da delegacia)
BILLY BLANCO JR. – médico que examina Maria no pré-parto
CARLA ALEXSANDRA
CARLOS FONTE BOA – Ermenegildo (filho do prefeito que briga com Candinho)
CÁSSIO PANDOLFI – juiz no julgamento de Romeu
CELSO FRATESCHI – Barão de Goytacazes (pai de Anastácia, no primeiro capítulo)
CHICO TERRAH – possível comprador da fazenda Dom Pedro II
CLÁUDIO AMADO – Serginho (cabeleireiro de Sandra em seu casamento)
CLÁUDIO ANDRADE – engenheiro que ajuda Pandolfo na construção da torre de petróleo na fazenda de Cunegundes
COSME DOS SANTOS – Ezequiel (par de Manoela, no final)
DANIEL BARCELLOS – dá dinheiro a Pancrácio na porta da Igreja quando ele está vestido de Miss São Paulo, depois advogado de Sandra quando ela dá o golpe em Anastácia
DANIEL DALCIN – médico que conversa com Anastácia sobre o estado da gravidez de Maria
DANIEL DIAS – Perseu (filho do Comendador Fragoso)
DÉBORA OLIVIERI – Ana (mulher de Severo, mãe de Maria, Braz e Alice, morre no início)
DRIKA MATTOS
DUIO BOTTA – dublador da radionovela Herança do Ódio
ERLENE MELLO – do casal de caipiras para quem Romeu vende um falso bilhete premiado, no último capítulo
GILBERTO MARMOROSH – Padre Juvêncio (padre moribundo que talvez saiba o destino de Anastácia)
GUSTAVO NADER – dublador da radionovela Herança do Ódio
GUSTAVO OTONI – grafólogo a favor de Anastácia no julgamento
GUTEMBERG BARROS – dublador da radionovela Herança do Ódio
HÉLIO RIBEIRO – Eugênio (pai de Leandro, marido de Carlota)
HENRIQUE TAXMAN – Faustino Louzada (advogado dos filhos de Fragoso e depois de Sandra)
IGOR PAIVA – pintor que Sandra leva à casa de Anastácia mas é rejeitado por ela porque deseja pintá-la nua
ISABELA GARCIA – Nádia (filha do Comendador Fragoso)
IVAN GRADIM – juiz de paz no casamento de Sandra e Candinho
IZAK DAHORA – empregado de Leonardo que entrega mantimentos na fazenda de Cunegundes
JÉSSICA MARINA – dubladora da radionovela Herança do Ódio
JOSÉ ARAÚJO – capataz do Barão de Goytacazes, no primeiro capítulo
JITMAN VIBRANOVSKY – Oscar de Mello Rodrigues (presidente do júri do salão de Belas Artes onde Ernesto apresenta seu quadro)
KIKO MARQUES – compra um viaduto num golpe de Romeu
LAND VIEIRA – capanga de Cara de Cão
LÉA GARCIA – parteira de Candinho, no primeiro capítulo
LEOPOLDO PACHECO – Ernani (pai de Candinho)
LÉO WAINER – grafólogo a favor de Sandra no julgamento
LUCA DE CASTRO – interessa-se em comprar a empresa de Anastácia, depois que Sandra dá o golpe nela
LUCIANA CARNIELLI – compra um bilhete premiado num golpe de Romeu
LUÍS MAGNELLI – Detetive Peçanha (contratado por Anastácia para descobrir o paradeiro do filho dela, recebe dinheiro de Ernesto para fazer o contrário)
LUIZ FELIPE MENDES – capataz do Barão de Goytacazes, no primeiro capítulo
LUIZ GUSTAVO – Comendador Fragoso (frequentador do dancing, se encanta com Filó, com quem se casa antes de morrer)
MANUEL GOMES – um dos ajudantes do bandido Tigre
MARCELO ROCHA PEREIRA
MÁRCIA MANFREDINNI – Dona Eufrásia (foragida do hospício que diz para Candinho ser sua mãe, numa conversa na praça)
MÁRCIO ERLISCH – juiz no caso de Filó e os filhos do Comendador Fragoso
MÁRCIO RICCIARD – oficial de Justiça que impede Filó de entrar na casa do Comendador Fragoso após a sua morte
MARCOS ACHER – promotor no julgamento de Romeu
MARCOS FRANÇA – Dr. Haroldo (psiquiatra arranjado por Sandra para desacreditar Anastácia no tribunal)
MARCOS HOLLANDA – informa Maria sobre a internação do detetive Jack
MARIA LÍDIA COSTA – madrinha de Osório
MIGUEL COSTA – menino que critica Candinho por ele estar montado no burro
MÔNICA ROSSI – dubladora da radionovela Herança do Ódio
NATÁLIA DO VALLE – Baronesa de Goytacazes (mãe de Anastácia, no primeiro capítulo)
NATHALIA DILL – Anastácia (jovem, no primeiro capítulo)
OLÍVIA VIVONE
ORION XIMENES – atende Romeu numa sapataria quando este compra um par de sapatos para Cunegundes
PAULO CARVALHO – Delegado Piratininga (investiga os golpes cometidos por Romeu)
PAULO GIARDINI – médico de Claudinho
PAULO RICARDO CAMPANI – paquera de Ema no restaurante depois de Lauro dizer que não vai pedi-la em casamento
PEDRO BRANDÃO – Leandro (namorado de Maria, irmão de Fábio, morre no início)
PEDRO FARAH (FARNETTO) – Jacinto (mordomo de Anastácia)
PEDRO HENRIQUE LOPES – Padre Francisco (jovem padre da paróquia frequentada por Anastácia)
PIETRO MÁRIO – senhor que convence Candinho a não empenhar o medalhão, depois tio de Afonso Araújo
RAUL LABANCA – compra convites do baile na mão de Pancrácio quando ele está vestido de freira na porta da igreja
RENATO RABELLO – Leonardo (novo comerciante de Piracema que Cunegundes tenta aproximar de Filó)
RICA BARRSO – professor de História que critica Pancrácio quando este se veste de Marquesa de Santos
RICARDO MARTINS – fisioterapeuta de Claudinho
RICARDO PAVÃO – delegado que ajuda na busca dos sequestradores de Filomena
RICARDO SCHNETZER – dublador da radionovela Herança do Ódio
RODRIGO ANDRADE – Fábio (primo de Leandro, ajuda Maria quando ela se descobre grávida dele)
RODRIGO CANDELOT – Arquimedes (pintor que Sandra leva à casa de Anastácia mas é rejeitado por ela porque deseja pintá-la com cara de palhaço)
ROGÉRIO FABIANO – dança com Ilde no dancing
RONALDO REIS – funcionário do IML que resgata o corpo do Comendador Fragoso na fazenda de Cunegundes, depois o médico que faz o parto de Filó
ROSE LIMA – uma das presas na cela com Sandra, no último capítulo
SAULO RODRIGUES – advogado contratado por Filó para tirar Ernesto da cadeia
SÉRGIO FONTA – Dr. Dantas Reis (advogado de Romeu, depois de Filó, depois de Anastácia)
SÉRGIO STERN – vendedor de tecidos numa reunião com Ernani
SÉRGIO MONTE – delegado que prende Alcides do Amaral
SILVIO MATOS – padre que ajuda Candinho a embarcar com o burro e que ao final celebra o casamento dele com Filó
TONY CORRÊA – compra o Teatro Municipal de São Paulo num golpe de Romeu
VERA MARIA MONTEIRO – diretora de escola onde procuram Candinho
VICTORIA AGUILLERA
WALNEY AGUIAR – um dos caipiras que pegam o dinheiro de Romeu levado pelo vento
WERLES PAJERO – Jairo (motorista de Anastácia)
ZECA ASSUNPÇÃO – segurança do dancing
Dr. Stephen Smith (médico americano que opera Claudinho)
Ismael (alfaiate que fez ternos para Quinzinho e Romeu)
Tonico e Dinorá (donos da venda que fornecia mantimentos para a fazenda de Cunegundes)

– núcleo de CANDINHO (Sérgio Guizé), caipira simples e otimista, sempre vê o lado bom de tudo. Seu grande lema é “tudo o que acontece de ruim na vida é pra meiorá”. Recém-nascido, foi separado de sua mãe biológica e sonha em um dia reencontrá-la. Foi acolhido e criado por uma família caipira numa fazenda do interior, mas ao se apaixonar pela primogênita, acabou expulso e partiu para São Paulo em busca da mãe:
o amigo PANCRÁCIO (Marco Nanini), seu mentor e protetor, que o acolhe em São Paulo. É professor de filosofia, mas está desempregado há tempos. Vive de pedir dinheiro nas ruas, cada dia usando um disfarce diferente. Assim como seu protegido, é sempre otimista, ensinando-o diversos lemas. Empenha-se em ajudá-lo a encontrar a mãe
o garoto PIRULITO (JP Rufino), esperto e divertido, vive nas ruas da cidade e sabe se virar sozinho. Ao conhecer Candinho, os dois se tornam amigos imediatamente
o burro POLICARPO, seu companheiro inseparável.

– núcleo de ANASTÁCIA (Eliane Giardini), a mãe de Candinho. Foi obrigada a se separar do filho assim que ele nasceu e desde então sonha em reencontrá-lo. Hoje uma viúva muito rica, confia plenamente nos sobrinhos, que dizem ajudá-la, mas na verdade fazem de tudo para que ela nunca encontre o filho desaparecido, para não dividirem sua herança. Ao conhecer Pancrácio, os dois se apaixonam:
os sobrinhos: SANDRA (Flávia Alessandra), falsa e interesseira. Seu grande sonho é que a tia nunca encontre o filho desaparecido. Dissimulada e manipuladora, tem toda a confiança da titia, que não desconfia de seus planos,
e CELSO (Rainer Cadete), boêmio irmão de Sandra, faz tudo que ela quer e sempre ajuda nos seus planos. Acaba regerando-se ao descobrir o amor verdadeiro da jovem empregada de sua tia
o detetive JACK (David Lucas), contratado para encontrar o filho desaparecido. Atrapalhado se empenha em solucionar o caso. Sempre acaba vítima dos que tentam impedir que ele encontre Candinho
a empregada QUITÉRIA (Kenya Costa)
o mordomo JACINTO (Pedro Farah).

– núcleo da fazenda D. Pedro II, de propriedade do casal CUNEGUNDES (Elizabeth Savalla) e QUINZINHO (Ary Fontoura). Ela é uma mulher brava e opressora, tem o apelido de Boca de Fogo. Manda no marido, nos filhos, e faz questão de impor a todos suas decisões. Aceitou acolher Candinho na fazenda, mas nunca o considerou da família, até o momento em que o expulsou. Faz de tudo para casar seus filhos com herdeiros ricos e assim salvar a fazenda das dívidas. Quinzinho é submisso e obediente à mulher. Péssimo administrador, afundou a fazenda em dívidas. O casal faz de tudo para conseguir vendê-la:
a cunhada EPONINA (Rosi Campos), irmã de Quinzinho. Solteirona, nunca arrumou um marido, mas diz para todos que foi ela que não quis se casar. Gosta de Pancrácio, e por anos os dois trocaram cartas. Foi quem verdadeiramente criou Candinho, sendo a mãe que ele não teve
os filhos: FILOMENA (Débora Nascimento), o amor de Candinho, desde a infância. Apaixonados, foram obrigados a se separar pela mãe dela, que expulsou Candinho da fazenda. Em seguida, fugiu para São Paulo, iludida pelas promessas de um cafajeste,
MAFALDA (Camila Queiroz), caipirinha linda, ingênua e romântica, parceira da tia Eponina, tem uma porquinha de estimação chamada LILI. Curiosa, sonha em se casar para conhecer o “cegonho” que ouve falar que todo homem tem nas calças, mas não sabe ao certo do que se trata,
e QUINCAS (Miguel Rômulo), criado na roça, tem um jeito bruto e sem refinamento, obedece cegamente todas as determinações da mãe
os empregados: ZÉ DOS PORCOS (Anderson di Rizzi), assume o lugar de Candinho como faz-tudo depois que ele é expulso. Cuida de todos os bichos, mas se entende melhor com os porcos. Apaixona-se por Mafalda,
a cozinheira MANOELA (Dhu Moraes), trabalha há anos sem receber nada,
e DITA (Jennifer Nascimento), sobrinha de Manuela, passa a trabalhar na fazenda. Engravida de Quincas e acabam se casando
o veterinário JOSIAS (Flávio Migliaccio), cuida dos animais da fazenda mas há anos não recebe nada. Solteirão, é um dos credores de Cunegundes e Quinzinho
INÁCIO (Mauro Mendonça), gerente de banco, outro dos credores de Cunegundes e Quinzinho. Um dos pretendentes à mão de Eponina, no altar descobre-se que já é casado
PANDOLFO (Marco Nanini), irmão gêmeo de Pancrácio, mas de personalidade oposta. Geólogo formal, desconfia que haja petróleo nas terras de Cunegundes, o que seria uma coroação profissional. Casa-se com Eponina e a apresenta ao “cegonho”.

– núcleo de ERNESTO (Eriberto Leão), vaidoso e ambicioso, se diz pintor, mas vive de explorar mulheres. Sedutor, sempre consegue arrancar dinheiro das moças que ele convence a trabalhar. Conhece Filomena e a leva para São Paulo, obrigando-a a trabalhar como dançarina em um taxi dancing para o sustentar. Envolve-se com Sandra e torna-se o principal aliado em seus golpes:
o amigo ROMEU (Klebber Toledo), jovem vigarista, vive de aplicar golpes em vítimas inocentes. Apresenta-se como potencial comprador da fazenda de Cunegundes para aproveitar o bom e o melhor por um tempo e depois sumir sem deixar rastros. Só que seus planos mudam ao apaixonar-se por Mafalda. Ao ganhar na loteria, retorna à fazenda para verdadeiramente comprá-la, mas ninguém mais acredita em suas palavras
o bandido CARA DE CÃO (Marcello Gonçalves), seu comparsa
ROMUALDO (Márcio Tadeu de Lima), dono do bar frequentado por ele e Romeu. Apaixona-se por Pancrácio toda vez que ele aparece vestido de mulher em algum de seus disfarces.

– núcleo de MARIA (Bianca Bin), jovem romântica e determinada, descobriu que estava grávida de seu namorado, LEANDRO (Pedro Brandão), que morreu logo depois em um acidente. Quando a família soube de seu estado, seu pai a expulsou de casa. Encontrou abrigo como empregada de Anastácia e tornou-se alvo do amor de Celso, até render-se a ele ao ter certeza de que estava regenerado. Desconfia do caráter de Sandra:
o pai SEVERO (Tarcísio Filho), dono de uma loja de tecidos, é um homem rígido e infiel. Trata todos com rispidez, incluindo sua esposa e filhos. Apesar de ter dinheiro, é avarento e controla toda a família com mãos de ferro
a mãe ANA (Débora Olivieri), oprimida pelo marido, ajuda com as despesas de casa lavando roupa para fora. Acaba morrendo no início da trama devido aos desgostos causados pelo marido
os irmãos: BRAZ (Rômulo Neto), foi ao Rio de Janeiro estudar para ser diplomata, mas teve que interromper os estudos a mando do pai. Descobre que Severo tem um caso com a moça que ama e, com ódio dele por causa da morte da mãe, decide se vingar,
e a menina ALICE (Nathalia Costa), muito próxima da mãe e da irmã, vive assustada com medo do pai
o primo de Leandro, FÁBIO (Rodrigo Andrade), procura ajudar Maria após a morte dele.

– núcleo de AFONSO ARAÚJO (Flávio Tolezani), advogado, administra a fábrica de sabonetes de Anastácia. Tem um filho de dez anos que teve poliomelite e anda de cadeira de rodas. Acaba traindo a patroa em determinado momento da trama ao envolver-se com Sandra:
a mulher ILDE (Guilhermina Guinle), amiga de Sandra. Casou-se com Araújo por interesse e não suporta seu enteado, a quem maltrata e hostiliza sem conhecimento do marido
o filho CLÁUDIO (Xande Valois), menino tímido, doente, anda de cadeira de rodas e é maltratado pela madrasta sem que o pai saiba. Torna-se amigo de Alice.

– núcleo da pensão de DONA CAMÉLIA (Ana Lúcia Torre), viúva, também é costureira. Não admite atrasos no pagamento dos hóspedes. Acolhe Candinho e Pirulito no início, até encontrarem Pancrácio. Sofre com a doença da neta:
a neta GERUSA (Giovanna Grigio), pálida e frágil, sofre de uma doença ainda não diagnosticada, que depois descobre-se ser leucemia, mas a avó faz de tudo para esconder a verdade dela
os pensionistas: OSÓRIO (Arthur Aguiar), trabalha como ajudante de Severo em sua loja, mas acaba demitido. Apaixonado por Gerusa, será fundamental para lhe dar suporte e amor em sua doença,
OLÍMPIA CASTELAR (Rosane Gofman), famosa radioatriz, amiga de Anastácia e Ema, faz sucesso como protagonista da radionovela “Herança de Ódio”
EVANDRO (Cláudio Tovar), diretor de som de radionovelas, responsável por todos os ruídos e efeitos sonoros de “Herança de Ódio”. Vive às turras com Olímpia,
e as amigas CLARICE (Mariana Armelinni) e OLGA (Maria Carol), dizem para todos que são professoras, mas na verdade trabalham como dançarinas. Clarice torna-se a melhor amiga de Filomena, e Olga acaba indo trabalhar como governanta na casa do Dr. Araújo para cuidar de Cláudio.

– núcleo de PAULINA (Suely Franco), dona do taxi dancing em que trabalham Filomena, Clarice e Olga. Cuida do estabelecimento com mão de ferro e não permite ousadias com as meninas dentro do salão. Fora dele, é problema delas. Reencontra-se com Josias, grande amor do passado, mas que não sabe de sua atividade:
as demais dançarinas: DIANA (Priscila Fantin), linda e sensual, seu objetivo é se dar bem na vida. Envolve-se com Severo para extorquir-lhe dinheiro, mas apaixona-se por Braz, filho dele. O que não sabe é que ele também está lhe aplicando um golpe por vingança,
e SARITA (Juliane Araújo), ambiciosa e assanhada, interessa-se por Romeu. Na verdade, é neta dela e Josias, e o avô a leva para a fazenda ao descobrir a verdade
o funcionário do taxi dancing VERMELHO (Gabriel Canella).

– núcleo de EMA (Maria Zilda Bethlem), mulher moderna e elegante. Amiga de Anastácia, relaciona-se também com Sandra, Ilde e Olímpia. Abre uma boutique prêt-a-porter, uma grande novidade para época, ao lado da loja de tecidos de Severo, disputando clientela com ele. Quando Severo demite Osório, emprega o rapaz em sua loja:
o médico LAURO (Marcelo Argenta), com quem se envolve amorosamente
a mãe de Lauro, NARCISA (Marilu Bueno), madrinha de Ilde, velha linguaruda, falastrona e inconveniente, oprime o filho e não deixa nenhuma mulher aproximar-se dele. Vive às turras com Ema
o alfaiate TOBIAS (Cleiton Moraes), trabalha em sua loja.

O retorno do novelista Walcyr Carrasco ao horário das seis, que o consagrou, depois de um hiato de dez anos – sua última novela nesta faixa foi Alma Gêmea, em 2005-2006. Também a volta da parceria do autor com o diretor geral Jorge Fernando.

Um sucesso notável: Eta Mundo Bom! fechou com uma média final de 27 pontos no Ibope da Grande São Paulo, a maior desde 2007 quando a faixa exibiu a novela O Profeta (que tinha supervisão de Carrasco).
A novela uniu-se a outros sucessos do autor no horário das seis da Globo: O Cravo e a Rosa (2000-2001), Chocolate com Pimenta (2003-2004) e Alma Gêmea (2005-2006) – as duas últimas, com o mesmo diretor geral, Jorge Fernando.
Reconhece-se em Eta Mundo Bom! muitos elementos das anteriores: melodrama, maniqueísmo, humor inocente e/ou pastelão, vilões terríveis, núcleo na fazenda com caipiras, bichinhos de estimação, casamentos desfeitos no altar, torta na cara, personagens arremessados no chiqueiro.

O ponto de partida de Carrasco para sua novela foi o conto iluminista Cândido ou O Otimismo (1759), do filósofo francês Voltaire, que por sua vez inspirou o filme Candinho (1954), de Abílio Pereira de Almeida, com Amácio Mazzaropi como o personagem título. Na verdade, Eta Mundo Bom! tem muito mais do filme com Mazzaropi do que do conto de Voltaire: é praticamente a mesma história do filme.

Comentou Walcyr Carrasco sobre sua novela:
“Quis trazer a discussão que sustenta a todos nós, todo o tempo. O mundo é bom? Há motivos para ser otimista? Então por que acontecem tantas coisas ruins? Vale a pena acreditar que um dia tudo vai melhorar?”

Carrasco uniu às referências (Voltaire mais o filme com Mazzaropi) elementos do conto O Comprador de Fazendas, de Monteiro Lobato, e o universo das radionovelas.

O tom brejeiro e inocente do núcleo da fazenda agradou em cheio o público, graças a personagens cativantes, de sotaque caipira com português errado, em situações pueris e engraçadas (como as referências ao “cegonho” e sua função no casamento). O mérito não foi só do autor, mas também da direção e do afinado elenco. Sérgio Guizé, Elizabeth Savalla, Ary Fontoura, Camila Queiroz, Rosi Campos, Anderson Di Rizzi, Dhu Moraes e Flávio Migliaccio deram um show.
Do outro lado, o núcleo da cidade, em que o português culto na boca dos personagens firmou-se como uma assinatura do autor, com grande destaque para as atuações de Marco Nanini, Eliane Giardini, Bianca Bin, Flávia Alessandra e Ana Lúcia Torre. Entre eles, Débora Nascimento, como Filomena, a que era para ter sido a principal personagem feminina da trama, passeou entre o sotaque caipira e o português culto sem obter sucesso, comprometendo a mocinha da novela.

Dentro da trama de Eta Mundo Bom!, que se passava no final da década de 1940, existia a radionovela Herança do Ódio, que ia ao ar também no Gshow e na Rádio Globo. A ideia era que, além de uma fábrica de sabonetes, patrocinador fictício, houvesse anunciantes de verdade.
Criado por Walcyr Carrasco, o projeto – uma adaptação da obra homônima do autor Oduvaldo Vianna – também mostrava os bastidores das histórias que os personagens da novela ouviam no rádio. Os episódios eram exibidos semanalmente no Gshow.

Para homenagear o personagem Jeca, vivido por Mazzaropi no filme Candinho, o Gshow lançou um documentário com depoimentos exclusivos do diretor-geral da novela Jorge Fernando; dos atores Roberto Pirillo e André Luiz Toledo, que contracenaram com Mazzaropi; de Sergio Guizé e Anderson Di Rizzi, atores de Eta Mundo Bom!, e do pesquisador Claudio Marques. A produção mostrava ainda imagens do acervo do artista, fotos e trechos de filmes, detalhes de sua vida e exemplos do legado que deixou para o cinema brasileiro. Ao final do último capítulo de Eta Mundo Bom!, Carrasco dedicou sua novela a Mazzaropi.

Sobre a época retratada na novela, comentou o jornalista Maurício Stycer em seu blog no UOL:
“Ambientar a trama na década de 40 do século 20 foi só um pretexto para Carrasco aprofundar o caráter ingênuo de muitos personagens. O momento crucial que o Brasil e o mundo passavam na época foi completamente ignorado. A única referência temporal da novela foram os títulos dos filmes de Hollywood que apareciam dos letreiros do cinema e a procura por petróleo no interior de São Paulo.”

Sob o comando dos coreógrafos Caio Nunes e Carla Martins, no Projac, durante três meses os atores Eriberto Leão, Débora Nascimento, Priscila Fantin, Rainer Cadete, Marianna Armelinni, Klebber Toledo e Maria Carol tiveram aulas de bolero, mambo, charleston, entre outros estilos típicos da época retratada na novela (década de 1940).
Já Camila Queiroz teve aulas de equitação para viver sua personagem, a caipirinha Mafalda.
Os atores do núcleo da fazenda Dom Pedro II (o núcleo caipira) tiveram aulas de prosódia com a instrutora de dramaturgia Íris Gomes da Costa. O objetivo foi aprender o sotaque caipira do interior de São Paulo, onde viviam na trama.

A equipe da novela começou as gravações em três cidades do interior do estado do Rio de Janeiro: Paty do Alferes, Vassouras e Teresópolis. Depois seguiu para São Paulo, onde gravou em cenários como o Viaduto Santa Ifigênia, a Estação da Luz, o Parque da Luz, o Palácio dos Cedros, o Teatro Municipal, o Pátio do Colégio e o Museu da Imigração, entre outros.

Em uma área de aproximadamente 11.000m², foram reproduzidos na cidade cenográfica (no Projac) o centro da cidade de São Paulo, a área residencial – que abrigava duas mansões, a de Anastácia (Eliane Giardini) e a do advogado Araújo (Flávio Tolezani), além da casa de Pancrácio (Marco Nanini) – e os interiores de cenários importantes na trama, como a loja de tecidos de Severo (Tarcísio Filho), a boutique de Ema (Maria Zilda Bethlem), a confeitaria e o restaurante onde alguns personagens se encontravam.

Além das duas cidades cenográficas e dos interiores das casas, os cenógrafos José Claudio e Eliane Heringer precisaram reproduzir uma estação de rádio da época, já que na trama existia uma radionovela.
“Pensamos na sonoplastia para imaginar os ambientes. Existe um aquário onde ficam os sonoplastas e a parte em que os atores falam em microfones suspensos e de mesa. E temos todos os equipamentos para fazer os sons de relâmpago, de água e de portas abrindo e fechando, por exemplo. São muitos detalhes, mas está tudo bem fiel à época, estamos muito satisfeitos”, enalteceram os cenógrafos.

A classe social dos personagens também foi representada pelo aparelho de rádio que cada família tinha em casa. A equipe de produção de arte comprou aparelhos bem diversificados em feiras de antiguidades para representar e marcar as diferenças econômicas entre as famílias.

A atriz Neusa Maria Faro começou a gravar como a personagem Olímpia Castelar, a principal radioatriz de Herança do Ódio. Mas ela caiu doente pouco antes da estreia e suas cenas tiveram que ser refeitas com uma nova atriz, Rosane Gofman, que entrou para substituí-la.

Pela primeira vez, a Globo lançou comercialmente a trilha sonora de uma novela muito antes de sua estreia. Pelo menos dois meses antes de Eta Mundo Bom! começar, já era possível comprar o seu CD volume 1, um fato inédito.

Trilha Sonora Volume 1
etamundobomt
01. O SANFONEIRO SÓ TOCAVA ISSO – Suricato (tema de abertura)
02. PÉ DE MANACÁ – Paula Fernandes
03. O QUE O OURO NÃO ARRUMA – Daniel
04. DOIS PRA LÁ, DOIS PRA CÁ – Elis Regina
05. SE NÃO VIRA JAZZ – Djavan
06. ESTRADA VERMELHA – Victor e Léo
07. NO RANCHO FUNDO – Chitãozinho e Xororó
08. A SAUDADE MATA A GENTE – César Menotti e Fabiano
09. SAUDADE DE MINHA TERRA – Zé Neto e Cristiano
10. QUEM VEM DE LONGE – Gusttavo Lima (tema de Candinho)
11. AVÔHAI – Zé Ramalho
12. DISTANTE D´OCÊ – Elba Ramalho
13. TICO-TICO NO FUBÁ – Cluster Sisters
14. VEM MORENA – Os Gonzagas
15. O SAMBA DA MINHA TERRA – Elza Soares
16. VIDA DE BAILARINA – Ângela Maria
17. DOS MEUS BRAÇOS TU NÃO SAIRÁS – Nelson Gonçalves
18. ESCANDALOSA – Emilinha Borba
19. SEGREDO – Dalva de Oliveira

Trilha Sonora Volume 2
etamundobomt2
01. O MELHOR PRA MIM – Ivete Sangalo
02. FELICIDADE – Rita Lee
03. O IMPOSSÍVEL VEM PRA FICAR – Lenine
04. ÊTA MUNDO BOM – Renato Teixeira
05. MEU POLICARPO – Sérgio Reis
06. ELA É MINHA NAMORADA – Rodrigo Munari
07. CASINHA BRANCA – Maria Bethânia
08. SE MANCA – Ana Carolina
09. DENGOSA – Maria Rita
10. ATIRE A PRIMEIRA PEDRA – Thiaguinho
11. BRAZIL (AQUARELA DO BRASIL) – Ray Conniff
12. ANYTHING GOES – Cole Porter
13. MOONLIGHT SERENADE – Glenn Miller
14. BESAME MUCHO – Daniel Boaventura
15. CIÚME – Cídia
16. O AMOR NÃO PRECISA RAZÃO – Jussara Silveira
17. TENHA PENA DE MIM – Zizi Possi
18. EU DESCOBRI – Tuta Guedes
19. TUDO O QUE ACONTECE DE RUIM É PARA MELHORAR – Moska

Tema de Abertura: O SANFONEIRO SÓ TOCAVA ISSO – Suricato

O baile lá na roça foi até o sol raiar
A casa estava cheia, mal se podia andar
Estava tão gostoso aquele reboliço
Mas é que o sanfoneiro, só tocava isso…

De vez em quando alguém vinha pedindo pra mudar
O sanfoneiro ria querendo agradar
Diabo que a sanfona tinha qualquer enguiço
Mais é que o sanfoneiro…. ele só tocava isso…

Veja também

  • verdadessecretas_logo

Verdades Secretas

  • mordeeassopra_logo

Morde e Assopra

  • gabriela2012_logo

Gabriela (2012)

  • amoravida_logo

Amor à Vida