Sinopse

A “cidade” é uma favela num morro do Rio de Janeiro. Os “homens” são dois garotos de 13 anos, Laranjinha e Acerola, que moram nessa comunidade e são obrigados a lidar com problemas comuns como o tráfico ou a total falta de dinheiro para realizar seus mínimos desejos.

Laranjinha mora com a mãe, mas como ela trabalha fora e só aparece nos finais de semana, ele fica por conta da avó e está sempre perambulando pelo morro. Não quer entrar para o crime, mas tem boas relações com o pessoal do movimento. Seu maior interesse são as mulheres.

Acerola é sério, bom aluno, centrado. Não gosta de se envolver com o crime mas também ninguém é de ferro, né? É um garoto extremamente espirituoso, cheio de idéias, filho de mãe cozinheira de patrões bem ricos.

O tráfico, a escola, a família, a vizinhança, tudo é visto a partir do olho de estranheza de Acerola e Laranjinha. Não à toa, eles estão sempre no meio de uma briga em que são inocentes. Não sabem direito as regras. Tentam aprender, debaixo de muito cascudo, os códigos de relações tão originais.

Globo – 23h
de 15 a 18 de outubro de 2002
de 14 de outubro a 11 de novembro de 2003
de 24 de setembro a 22 de outubro de 2004
de 18 de novembro a 16 de dezembro de 2005
19 episódios

escrito por César Chalone, Fernando Meirelles, Jorge Furtado, Kátia Lund, Paulo Lins, Guel Arraes e Regina Casé
Paulo Morelli, Newton Cannito, Leandro Saraiva, Regina Casé e George Moura (2004)
direção de César Chalone, Fernando Meirelles, Kátia Lund, Paulo Lins e Regina Casé
Paulo Morelli, Philippe Barcinski, Regina Casé, Adriano Goldman e Cao Hamburger (2004)
produção 02 Filmes
núcleo Guel Arraes

DARLAN CUNHA – Laranjinha
DOUGLAS SILVA – Acerola

A Coroa do Imperador – 15/10/2002
Laranjinha e Acerola estão aprendendo na escola sobre a fuga da corte portuguesa para o Brasil e vai haver uma excursão da turma para Petrópolis. Eles querem conhecer a coroa do imperador. A condição imposta pela professora é que todos passem por uma chamada oral sobre o assunto. O outro problema é que para fazer o passeio é preciso pagar uma taxa de R$6,50 e para conseguir esse dinheiro os dois acabam se envolvendo com os traficantes do morro onde moram. Para complicar, na véspera da excursão o morro é invadido por uma facção inimiga e, em meio à confusão, os dois finalmente entendem o que levou Napoleão a atacar a Inglaterra e porque D. João VI teve que sair correndo para o Brasil. O episódio tem direção de Cesar Charlone, com roteiro de Charlone, Fernando Meirelles e Jorge Furtado.

O Cunhado do Cara – 16/10/2002
Acerola surpreende-se ao ver sua irmã namorando o dono do morro. Tenta convencê-la da loucura que é se envolver com traficantes. Neste exato momento, Deco, o dono (Leandro Firmino da Hora, o ótimo intérprete de Zé Pequeno em “Cidade de Deus”), aparece e resolve tratar o cunhado da melhor forma possível para agradar a nova namorada. Faz isso na frente de todos. Acerola percebe que por ser cunhado de Deco, passa a ser respeitado. Embriagado pelo seu poder, tripudia e abusa de seu status de cunhado. Está tudo indo bem até que a irmã briga com o namorado. Acerola passa então a contar apenas com seu fiel amigo, Laranjinha, para tentar reaproximar o casal se livrando assim de uma retaliação geral. O roteiro e a direção são de Katia Lund e Paulo Lins.

Correio – 17/10/2002
Na favela não há correio. Para evitar as confusões rotineiras na associação dos moradores, onde todas as cartas são entregues, Laranjinha e Acerola são escalados pelo tráfico para trabalhar como carteiros. O problema é que com esta missão vem junto uma ameaça: nenhuma carta pode deixar de ser entregue. Se isto acontecer, eles terão que se entender com o dono do morro. Para se livrarem deste problema, resolvem fazer um mapa da favela para que os carteiros profissionais possam fazer o trabalho. Descobrem que esta atividade pode até ser muito rentável. Mas um mapa identificando ruas e vielas não é exatamente a melhor notícia para os traficantes. O roteiro é a direção são de Katia Lund e Paulo Lins.

Uólace e João Victor – 18/10/2002
Laranjinha acorda e constata que está sem dinheiro e sem comida em casa. Sua mãe só volta no final de semana e a escola está fechada. Até lá, ele vai ter que se virar na pista. Num apartamento em frente à favela, mora João Vitor. É um garoto de classe média. O programa traça um paralelo entre a vida destes dois personagens até o momento em que se encontram, ou se desencontram, no final. Baseado na obra homônima de Rosa Amanda Strausz. A adaptação é de Fernando Meirelles, Guel Arraes, Jorge Furtado e Regina Casé. O episódio dirigido por Fernando Meirelles e Regina Casé, marca a estréia da atriz como diretora.

Sábado – 14/10/2003
Como a maioria dos adolescentes que moram no morro, Acerola e Laranjinha esperam com ansiedade a noite de sábado, pois sábado é dia de baile! Enquanto Acerola participa de um concurso de bondes com seu grupo e quer conquistar Cristiane, Laranjinha quer apenas bater seu próprio recorde, ficando com três meninas na mesma noite, e ainda levando uma quarta para
casa. Mas os dois amigos vão descobrir que a noite de sábado é sempre uma caixinha de surpresas… Para completar a festa, o DJ Malboro anima o grande baile que vai colocar o morro de cabeça pra baixo!

Dois pra Brasília – 21/10/2003
A dupla Laranjinha e Acerola vai parar em Brasília para falar com o Presidente! Tudo começa quando Acerola resolve ir para a capital federal atrás de uma menina por quem está apaixonado. A garota faz parte de uma ONG que defende os direitos de presos que já cumpriram suas penas, e os dois rapazes embarcam na proposta. A missão de Acerola e Laranjinha é encontrar o
Presidente Lula, para entregar-lhe uma carta pessoalmente. A viagem dos dois personagens se intercala com a viagem do próprio Luís Inácio da Silva, vindo de Pernambuco para São Paulo há 50 anos. Uma dupla jornada eletrizante.

Tem Que Ser Agora – 28/10/2003
A praia é o lugar onde o Brasil fica democrático, onde todas as classes se encontram. Mas a praia é também um lugar muito confuso, pois nunca se sabe se uma determinada pessoa é do asfalto ou do morro. Laranjinha paquera Camila, e descobre que ela é rica. João é do asfalto, mas namora Tamires, que é do morro. Duda, que é do asfalto, foge de Pedro quando descobre que ele é da favela. Acerola namora Lidiane, ambos são do morro. No meio dessas combinações, um grupo de pit-boys quer fazer uma faxina social na praia, e a maioria dos jovens pensa mesmo é em perder a virgindade.

Os Ordinários – 04/11/2003
Na onda do surf, Acerola salva casualmente um playboy de afogamento. A partir daí, uma ligação entre estes meninos do morro com os garotos do asfalto é criada. Durante as férias, este grupo de amigos fica junto e cria o bonde “Os Ordinários”. Os garotos acabam descobrindo que é possível a convivência entre os dois lados da cidade.

Buraco Quente – 11/11/2003
Espeto é primo de Laranjinha e é gerente do “movimento”. Após uma experiência ruim resolve sair do tráfico, mas não é uma decisão fácil e as opções que a vida lhe oferece fora do crime não são muitas e nem animadoras. Mas Laranjinha e Acerola resolvem ajuda-lo.

Exibida originalmente na Semana da Criança de 2002, Cidade dos Homens teve 4 episódios nesse ano, de cerca de 30 minutos de duração cada, que foram escritos e dirigidos por diferentes roteiristas e diretores com o objetivo de levantar a discussão da cidadania e das condições de vida dos menores.

A série teve uma segunda temporada em 2003 (de 14 de outubro a 11 de novembro) com mais 5 episódios exibidos nas terças-feiras. E também a terceira, exibida em 2004 (de 24 de setembro a 22 de outubro) com seis episódios, e uma quarta, em 2005 (entre novembro e dezembro). Ao total, foram 19 episódios.

Cidade dos Homens, a série, foi um desdobramento do curta-metragem Palace II, produção da O2 Filmes exibida no final de 2000 na Globo, dentro da série Brava Gente. Esse episódio serviu como ensaio para o filme Cidade de Deus de Fernando Meirelles (de 2002, co-produção da O2 com a Globo Filmes e a Video Filmes), um grande sucesso de público.
Palace II foi tão bem-sucedido que deu origem a esta continuação das aventuras vividas pelos dois protagonistas.
Cidade dos Homens ganhou ainda uma versão para o cinema em 2007.

Os personagens eram os garotos Acerola – Douglas Silva, que fez o Dadinho de Cidade de Deus – e Laranjinha – Darlan Cunha, o Filé Com Fritas em Cidade de Deus. Os dois garotos também estrelaram Palace II. Além deles, todo o elenco da série foi formado por atores do grupo Nós do Cinema e Nós do Morro.

Em 2017, a Globo exibiu uma continuação da história de Laranjinha e Acerola, doze anos depois, já adultos e com filhos, em formato de minissérie (em 4 capítulos).

As histórias foram gravadas em grande parte nas favelas Santa Marta e Rocinha, na cidade do Rio de Janeiro.

Regina Casé estreou como diretora ao dirigir o episódio Uólace e João Victor.

Cidade dos Homens recebeu o grande prêmio da crítica da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), em 2002.

Trilha Sonora

cidadedoshomenst
01. HOMEM AMARELO – O Rappa
02. QUAL É? – Marcelo D2
03. A FUMAÇA JÁ SUBIU PRA CUCA – Bezerra da Silva & Genaro
04. MORRO E ASFALTO – Darlan Cunha
05. VEM CRISTIANE – Mc Tam
06. US MANO E AS MINA – Xis
07. SONHO JUVENIL (GAROTA ZONA SUL) – Jovelina Pérola Negra
08. JOÃO TEIMOSO – MC Pé de Pano
09. PRIORIDADES – Bnegão
10. QUANDO EU CONTAR (IAIÁ) – Zeca Pagodinho
11. DAMA TEREZA – Sabotage
12. SOU FEIA MAS TÔ NA MODA – Tati Quebra-Barraco
13. MENINA CRIOULA – Jorge Ben Jor
14. LIXO DO MANGUE – Chico Science & Nação Zumbi

Veja também

  • cidadedoshomens2016

Cidade dos Homens (2017)