Sinopse

A jovem Tieta é escorraçada da pequena cidade de Santana do Agreste, no Nordeste brasileiro, pelo pai, o miserável Zé Esteves, irritado com seu comportamento liberal e influenciado pelas intrigas da outra filha, a invejosa Perpétua. Rejeitada e humilhada, Tieta foge do conservadorismo local indo se estabelecer em São Paulo. Lá, ela faz fortuna, mas a família não sabe como. A única notícia que chega é por meio de uma polpuda quantia em dinheiro enviada todo mês, religiosamente, para o pai e as duas irmãs, Perpétua, a mais velha, viúva com dois filhos, e Elisa, a mais nova, casada com o comerciante Timóteo.

Cerca de vinte anos depois, Tieta deixa de enviar dinheiro e reaparece na cidade decidida a se vingar do povo hipócrita que a julgou no passado. Ao chegar, encontra o comércio fechado por causa de uma missa que está sendo rezada em sua memória, já que todos achavam que tivesse morrido. Ela desfaz o mal entendido e altera a rotina da cidadezinha: os que a condenaram na juventude passam a cortejá-la, seja pela sua fortuna, pela exuberância de seus modos, ou pela generosidade. Tieta ainda seduz o sobrinho que não conhecia, o seminarista Ricardo, filho da rancorosa Perpétua.

Os habitantes de Santana do Agreste ainda se veem às voltas com a instalação de uma fábrica de dióxido de titânio, que, se por um lado trará desenvolvimento, por outro causará um forte impacto ambiental na região. A cidade estava parada no tempo até que Ascânio, amigo de juventude de Tieta que se mudara de lá para estudar, volta com o objetivo de trazer o progresso ao local. Ele se torna secretário da prefeitura e, junto com Tieta, promove a modernização de Santana do Agreste apoiado pelos poderosos da região, mais interessados nos benefícios próprios que esse progresso irá gerar.

Nunca se esquecendo do real motivo que a levou a Santana do Agreste, Tieta conta com a amizade de Tonha, mulher simplória, resignada e maltratada pela vida que casou-se com seu pai, um homem bruto e violento. E da companheira de juventude Carmosina, solteirona que sonha em conhecer o amor. Tieta ainda se depara com Osnar, um sedutor de mulheres que foi apaixonado por ela quando jovem. Com Ascânio, Timóteo e mais Amintas, Osnar forma o inseparável grupo de amigos que se autointitula Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse, cujo lema é “mulher, dinheiro, progresso e sinuca”.

Globo – 20h
de 14 de agosto de 1989
a 31 de março de 1990
196 capítulos

novela de Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares
baseada no romance Tieta do Agreste de Jorge Amado
direção de Reynaldo Boury, Ricardo Waddington e Luiz Fernando Carvalho
direção geral de Paulo Ubiratan

Novela anterior no horário
O Salvador da Pátria

Novela posterior
Rainha da Sucata

BETTY FARIA – Tieta (Antonieta Esteves)
JOANA FOMM – Perpétua Esteves Batista
JOSÉ MAYER – Osnar
REGINALDO FARIA – Ascânio Trindade
LÍDIA BRONDI – Leonora Cantarelli
YONÁ MAGALHÃES – Tonha
MARCOS PAULO – Arturzinho (Mirko Stephano)
ARLETE SALLES – Carmosina
PAULO JOSÉ – Gladstone
CÁSSIO GABUS MENDES – Ricardo
LUCIANA BRAGA – Maria Imaculada
ARY FONTOURA – Coronel Artur da Tapitanga
PAULO BETTI – Timóteo D´Alamberti
TÁSSIA CAMARGO – Elisa
SEBASTIÃO VASCONCELOS – Zé Esteves
LUIZA TOMÉ – Carol
ARMANDO BÓGUS – Modesto Pires
BETE MENDES – Aída
LÍLIA CABRAL – Amorzinho
ROSANE GOFMAN – Cinira
ROBERTO BONFIM – Amintas
MIRIAN PIRES – Dona Milú
CLÁUDIO CORRÊA E CASTRO – Padre Mariano
FLÁVIO GALVÃO – Comandante Dário
CLÁUDIA ALENCAR – Laura
CLÁUDIA MAGNO – Silvana
OTÁVIO AUGUSTO – Marcolino Pitombo
ANA LÚCIA TÔRRE – Juraci
ELIAS GLEIZER – Jairo
RENATO CONSORTE – Chalita
BENVINDO SIQUEIRA – Bafo de Bode (Pocidônio Antunes)
FRANÇOISE FORTON – Helena
SIMONE CARVALHO – Bebê (Elizabeth)
PAULO CÉSAR GRANDE – Rosalvo
CRISTINA GALVÃO – Filó (Filomena)
MARIA HELENA DIAS – Zuleica Cinderela
PAULO NIGRI – Cosme
CIDINHA MILAN – Cora
ANDRÉA PAOLA – Araci
CHAGUINHA – Pirica
ROBERTO FROTA – Leôncio
LIANA DUVAL – Rafa
ÊNIO SANTOS – Terto
os adolescentes
DANTON MELLO – Peto (Cupertino Batista Filho)
RENATA CASTRO BARBOSA – Letícia
GUGA COELHO – Bentinho
EDUARDO CARDOSO – Sabino
JONATHAN NOGUEIRA – Edmundo
prólogo
CLÁUDIA OHANA – Tieta
ADRIANA CANABRAVA – Perpétua
INGRA LIBERATO – Tonha
THAÍS DE CAMPOS – Carmosina
MARCOS WINTER – Osnar
EDSON FIESCHI – Ascânio
LEONARDO BRÍCIO – Amintas
ROBERTO REGO PINHEIRO – Timóteo
CHRISTIAN ESPOSITO – Arturzinho
HERSON CAPRI – Lucas (forasteiro que tem um caso com Tieta)
JOSÉ DE ABREU – Mascate (caixeiro-viajante que tira a virgindade de Tieta)
JOSÉ LEWGOY – Leovigildo Trindade (pai de Ascânio)
e
ADELAIDE PALETE – empregada na pousada de Dona Milú
ANA ROSA ABOIM – Nevinha (vendedora na loja tecidos de Timóteo)
AUGUSTO OLÍMPIO – morador de Esplanada na estação, quando Ascânio retorna, no início
CARLOS ZARA – Dr. Gama (executivo da Brastânio)
CONCY MADURO – Jussanã (rolinha do coronel Artur da Tapitanga)
DAVID PINHEIRO – Antônio Rezende (um dos engenheiros que comunicam a Tieta e Ascânio a liberação da luz para Santana do Agreste)
EMÍLIO DI BIASI – Dr. Henrique (médico de Arturzinho que vem do Rio para atendê-lo quando ele sofre um acidente de ultraleve)
EVANDRO LEANDRO – Tapizomba (capanga do coronel Artur da Tapitanga)
GENIVALDO DOS SANTOS – Jarro de Flor (atendente no bar de Chalita)
GERMANO FILHO – Jarde (comprou as terras de Zé Esteves)
IARA JAMRA – Assuntinha Ferreira (tem um programa de rádio sobre fofocas dos famosos, sempre ouvido por Elisa)
ISADORA RIBEIRO – nova amante de Modesto Pires, no último capítulo
JOÃO SIGNORELLI – assedia Leonora na quermesse, no início
JORGE DÓRIA – Pastor Hilário (pastor charlatão que ludibria a boa fé do povo)
JUSSARA CALMON – secretária de Perpétua
LINA FRÓES – mãe de Imaculada que a vende para o coronel Artur da Tapitanga, no início
LUCIANA CAMPOS – Coralina (rolinha do coronel Artur da Tapitanga)
LUÍS CARLOS ARUTIN – fiscal de trens da estação de Esplanada, quando Ascânio retorna, no início
MARIA DE MÉDICIS – Ritinha (rolinha do coronel Artur da Tapitanga)
MARIA ISABEL DE LIZANDRA – corretora que fez um seguro para Tieta em que os sobrinhos eram os beneficiários
MARIA ZENAIDE – empregada de Juraci
MARÍLIA BARBOSA – Cláudia Bruno (secretária da Brastânio)
MIGUEL FALABELLA – Miguel (amigo de Helena que dá o paradeiro dela para Ascânio, no Rio)
MORAES MOREIRA como ele mesmo
PATRÍCIA ALENCAR – Rosinha (rolinha do coronel Artur da Tapitanga)
PAULO PILLA – amante paulista de Helena
PAULO REIS – advogado de Ascânio
PAULO RESENDE – Bento
PAULO VILLANUEVA – Pedro (amante de Helena, no início)
PEPEU GOMES como ele mesmo
ROGÉRIA – Ninete (Valdemar, amiga de Tieta, de São Paulo)
ROGÉRIO ERLISCH como ele mesmo, fotógrafo que vai a Santana do Agreste clicar modelos das sandálias da Djean em Mangue Seco
ROSANA SALLES – Dezinha (rolinha do coronel Artur da Tapitanga)
SÉRGIO MOX – Cleber (gerente da primeira agência bancária inaugurada em Santana do Agreste)
SILVANA BUGARELLI – Glorinha
SÔNIA BARBOSA – Manon (prostituta da Casa da Luz Vermelha)
SUZANNE SEIXAS – Maria do Céu (rolinha do coronel Artur da Tapitanga)
TARCÍSIO MEIRA como ele mesmo
TEREZA CRISTINA – Doroti (vendedora na loja materiais de construção de Amintas)
WANDA ALVES – Marilu (empregada de Aída)
YAÇANÃ MARTINS – recepcionista do hotel onde Helena esteve hospedada
Jorge Cunha (um dos engenheiros que comunicam a Tieta e Ascânio a liberação da luz para Santana do Agreste)
Júnior (filho de Carol e Modesto Pires)

– núcleo de TIETA (Cláudia Ohana / Betty Faria), bonita, sensual, passional e apaixonada pela vida. Foi expulsa da cidadezinha de Santana do Agreste pelo pai aos dezoito anos, quando era mais “cabritinha”, solta e rebelde. Antes de se tornar muito rica, supostamente graças à ajuda de um comendador, comeu o pão que o diabo amassou. Isso lhe deu muita experiência de vida e sabedoria. Volta vinte anos depois para se vingar de toda a hipocrisia da cidade. Mas esconde do povo que é uma conhecida cafetina em São Paulo:
o amigo OSNAR (Marcos Winter / José Mayer), dos tempos da juventude, por quem acaba se apaixonando. Dono de terras e criador de cabras. Desleixado, debochado, esperto, com boa lábia e, acima de tudo, um tipo sedutor
sua protegida LEONORA (Lídia Brondi), que ela traz para Santana do Agreste. Com ar angelical, é uma moça romântica e sonhadora. Para todos, ela é filha do falecido Comendador Felipe Cantarelli, suposto esposo de quem Tieta ficou viúva e rica. Na verdade, uma prostituta que trabalhou para ela em São Paulo
a empregada CORA (Cidinha Milan), indolente, reclamona e fofoqueira, mas boa gente e fiel à patroa.

– núcleo de PERPÉTUA (Adriana Canabrava / Joana Fomm), irmã mais velha de Tieta. Viúva, nunca tirou o luto, o que lhe confere uma aparência de bruxa. Invejosa, arrogante, amarga, frustrada, maledicente, hipócrita e falsa cristã. Odeia Tieta, a quem denunciou ao pai no passado, provocando a expulsão dela da cidade. No entanto, é capaz de bajulá-la ao saber que ela é muito rica:
os filhos RICARDO (Cássio Gabus Mendes), seminarista, tímido. Para não cair em tentação, tem medo do sexo e das mulheres. Ao mesmo tempo é romântico. Acaba seduzido pela tia e desperta para os prazeres da vida,
e PETO (Danton Mello), o caçula, moleque
o amigo de Ricardo, COSME (Paulo Nigri), colega de seminário que o vigia excessivamente
suas seguidoras AMORZINHO (Lília Cabral), enviuvou cedo, e CINIRA (Rosane Gofman), ainda solteira, tem ataques de tremedeira quando pensa em homens ou quando eles chegam perto. Carolas dominadas por ela, reprimidas sexualmente. Com Perpétua formam um trio esdrúxulo e risível
a empregada ARACI (Andréa Paola), chorona, morre de medo da patroa.

– núcleo de ASCÂNIO (Edson Fieschi / Reginaldo Faria), secretário da prefeitura de Santana do Agreste. Homem justo, honesto e idealista, sonha com o progresso de sua cidade e o bem comum da população. Juntamente com Osnar e mais dois amigos, formam os Cavaleiros do Apocalipse, um grupo inseparável desde a juventude. Apaixona-se por Leonora sem saber que ela foi uma prostituta em São Paulo:
a ex-mulher HELENA (Françoise Forton), que o abandonou por não suportar a vida em Santana do Agreste. Carioca, vaidosa, fria e calculista, regressa à cidadezinha disposta a reconquistar o ex-marido, mas com segundas intenções
a empregada RAFA (Liana Duval), senhora que foi empregada de seus pais e ajudou a criá-lo. Não gosta de Helena
o empregado da prefeitura LEÔNCIO (Roberto Frota), uma espécie de guarda-costas.

– núcleo de CARMOSINA (Thaís de Campos / Arlete Salles), melhor amiga de Tieta, desde a juventude. Agente dos Correios, usa o método do bico da chaleira para abrir e ler as cartas que chegam ou saem da cidade. Embora saiba de todos os segredos de Santana do Agreste, é um “túmulo” quando necessário. Romântica, solteirona e virgem, ainda sonha com uma paixão:
a mãe DONA MILU (Mirian Pires), viúva há muitos anos. Sincera e muito correta, liberal e nada convencional. Transformou sua casa numa pousada onde recebe, além de visitantes, moradores solteiros da cidade para refeições e pouso eventual
o prestamista (pessoa que traz encomendas da cidade grande) GLADSTONE (Paulo José), chega a Santana do Agreste no caminhão Arca dos Sonhos, cheio de presentes para a população local. Foi pago por Tieta para “inaugurar” Carmosina, mas acabou se apaixonando por ela de verdade.

– núcleo de TONHA (Ingra Liberato / Yoná Magalhães), madrasta e amiga de Tieta, desde a juventude, já que é poucos anos mais velha que a enteada. Mulher submissa e dominada pelo marido, o pai de Tieta. Após a morte dele, transforma-se em uma nova mulher com a ajuda da enteada-amiga:
o marido ZÉ ESTEVES (Sebastião Vasconcelos), pai de Tieta e Perpétua, do casamento anterior dele. De idade avançada, se faz de doente para obter privilégios. Expulsou Tieta de casa quando descobriu que, novinha, ela já se deitava com homens. Mas a recebe bem quando ela retorna à cidade, graças ao seu dinheiro. Truculento e ignorante, é um patriarca que trata todas as mulheres da família como meras coisas
a filha ELISA (Tássia Camargo), meia irmã de Tieta e Perpétua. Deslumbrada, sonha com artistas da TV cujas vidas ouve as fofocas num programa de rádio. Leva com desgosto uma vida regrada e um casamento que caiu na banalidade. Sonha em conhecer São Paulo
o genro TIMÓTEO (Roberto Rêgo Pinheiro / Paulo Betti), marido de Elisa, dono de uma loja de tecidos, amigo de Ascânio e Osnar, um dos Cavaleiros do Apocalipse. Como a mulher, é vagamente infeliz. Nostálgico da boemia, a qual renunciou com o casamento. Ansioso e metódico, é uma figura engraçada.

– núcleo do CORONEL ARTUR DA TAPITANGA (Ary Fontoura), fazendeiro rico. Prefeito de Santana do Agreste, sempre delega poderes a Ascânio, secretário da Prefeitura. Acolhe meninas pobres em sua casa, às quais chama de Rolinhas, com a desculpa de tirá-las da miséria e alfabetizá-las. Na verdade as seduz. Viúvo há muitos anos, tem um filho que desapareceu no mundo, do qual não tem notícias há muito tempo:
a empregada FILÓ (Cristina Galvão), uma espécie de secretária e governanta, toma conta das rolinhas. Não questiona os métodos do patrão em relação às meninas
o capanga TAPIZOMBA (Evandro Leandro), seu pau-mandado, vigia as rolinhas para que elas não fujam
as rolinhas JUSSANÃ (Concy Maduro), CORALINA (Luciana Campos), RITINHA (Maria de Médicis), ROSINHA (Patrícia Alencar), DEZINHA (Rosana Salles) e MARIA DO CÉU (Suzanne Seixas)
a nova rolinha MARIA IMACULADA (Luciana Braga), vendida pelos pais ao coronel. Rebelde, se recusa a aceitar seu destino e se volta contra o velho. Foge da fazenda e vai parar na Casa da Luz Vermelha, um prostíbulo. Depois é acolhida por Dona Milu. Acaba apaixonando-se por Ricardo, a quem chama de Príncipe.

– núcleo de ARTURZINHO (Christian Esposito / Marcos Paulo), filho do Coronel Artur da Tapitanga que ele não via há anos. Inescrupuloso e ganancioso, retorna a Santana do Agreste sob a identidade do misterioso MIRKO STEPHANO com a intenção de instalar em Mangue Seco uma fábrica altamente poluente da empresa multinacional Brastânio. Seduz Ascânio com a promessa de progresso à região, mas esconde os estragos que sua empresa pode trazer ao meio-ambiente. Envolve Tonha, por quem foi apaixonado na juventude:
os empregados ROSALVO (Paulo César Grande), rapaz atlético, e BEBÊ (Simone Carvalho), bela e sedutora. A princípio misteriosos, chegam antes de Mirko a Santana do Agreste e despertam a curiosidade dos moradores da cidade. Rosalvo tenta seduzir Elisa, enquanto Bebê seduz Timóteo, em um momento em que o casal passa por uma crise na relação.

– núcleo de MODESTO PIRES (Armando Bógus), dono de um curtume e de muitas terras, é um dos que pensam em tirar proveito com a instalação da fábrica da Brastânio na região, não se importando com as consequências. Casado, leva uma vida dupla, pois mantém uma casa em Mangue Seco para a sua “teúda e manteúda”:
a mulher AÍDA (Bete Mendes), alegre, religiosa, boa esposa e mãe. A princípio submissa ao marido, fecha os olhos para sua infidelidade
a filha adolescente LETÍCIA (Renata Castro Barbosa)
a amante, ou “teúda e manteúda”, CAROL (Luiza Tomé), que ele mantem numa casa em Mangue Seco, proibindo-a de se relacionar com os vizinhos. Conhece acidentalmente Letícia e, depois, Aída e fica amiga delas, sem saber que são filha e esposa de Modesto. Apaixona-se por Osnar e os dois têm um caso
a empregada MARILU (Vanda Alves).

– núcleo do advogado MARCOLINO PITOMBO (Otávio Augusto), amigo de Modesto Pires. Em suas conversas, sempre usa jargões da profissão em latim. Envolve-se na questão sobre a posse das terras onde querem instalar a fábrica da Brastânio:
a mulher JURACI (Ana Lúcia Torre), amiga de Aída. Fofoqueira e hipocondríaca, tem verdadeira obsessão por proteção contra doenças
os filhos: SILVANA (Cláudia Magno), morava no Rio de Janeiro onde levava uma vida das mais liberais, longe dos olhos dos pais. Visita família em Santana do Agreste e vai ficando,
e EDMUNDO (Jonathan Nogueira), adolescente, amigo de Peto e Letícia.

– núcleo do COMANDANTE DÁRIO (Flávio Galvão), oficial reformado da Marinha, tem uma propriedade em Mangue Seco. Atlético e atraente, leva uma vida privada com a mulher, regada de prazeres:
a mulher LAURA (Cláudia Alencar), bela, sensual e liberada. Fica amiga de Silvana, percebe o interesse dela pelo marido e incentiva a aproximação, desde que ela participe. Esconde um segredo só revelado no final: em noites de lua-cheia, se veste de branco para atacar sexualmente homens “indefesos” pela cidade, figura conhecida como a Mulher de Branco
o vizinho PIRICA (Chaguinha), pescador enxerido, dono da lancha que faz a travessia de Santana do Agreste a Mangue Seco.

– outros personagens:
AMINTAS (Leonardo Brício / Roberto Bonfim), dono de uma loja de materiais de construção. Amigo de Osnar, Ascânio e Timóteo, é o quarto e último Cavaleiro do Apocalipse. Ao final da trama, envolve-se com Amorzinho, que livrou-se do julgo de Perpétua e tornou-se uma mulher liberada
CHALITA (Renato Consorte), turco, dono do bar e do único cinema da cidade. Nutre uma paixão por Amorzinho, com quem sonha em se casar, mas nunca foi correspondido
JAIRO (Elias Gleizer), motorista do único ônibus que faz a ligação de Esplanada, que tem uma estação de trem, a Santana do Agreste – o qual ele chama carinhosamente de Marinete. Envolve-se com Cinira
PADRE MARIANO (Cláudio Corrêa e Castro), conservador e tradicionalista. Severo e exigente com o povo, vive repreendendo Perpétua, com quem sempre entra em atrito
BAFO DE BODE (Benvindo Siqueira), mendigo bêbado que perambula pela cidade. Atrevido, desbocado e sujo, fala o que pensa
ZULEICA CINDERELA (Maria Helena Dias), cafetina da Casa da Luz Vermelha, prostíbulo frequentado pelos homens da região. Acolhe Imaculada quando ela foge da fazenda do coronel Artur da Tapitanga
TERTO (Ênio Santos), dono de uma mercearia
e os moleques BENTINHO (Guga Coelho) e SABINO (Eduardo Cardoso), amigos de Peto e Edmundo.

Livre adaptação do romance Tieta do Agreste, de Jorge Amado (publicado em 1977), pelo trio Aguinaldo Silva, Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares, que proporcionou momentos hilariantes e agradáveis ao público, num excelente exercício de dramaturgia. Da obra original subtraiu-se apenas o mote inicial e o perfil dos personagens. Os 196 capítulos foram recheados por entrechos cômicos e dramáticos em competente criação dos roteiristas.

O grandioso elenco escalado, na maioria por veteranos, foi outro fator para o sucesso, com muitos personagens carismáticos. Alguns, pequenos no romance de Jorge Amado, acabaram ganhando força e se destacaram, cada qual com suas características próprias, na adaptação.

Muitos foram os destaques: Yoná Magalhães (Tonha), Arlete Salles (Carmosina), Luciana Braga (Imaculada), Paulo Betti (Timóteo), Tássia Camargo (Elisa), Ary Fontoura (Artur da Tapitanga), Armando Bógus (Modesto Pires), Lília Cabral (Amorzinho), Rosane Gofman (Cinira), Sebastião Vasconcelos (Zé Esteves), Benvindo Siqueira (Bafo de Bode) e outros.
Mas o grande momento foi mesmo de Joana Fomm, impagável como a megera Perpétua, e Betty Faria, como a protagonista Tieta.

Joana Fomm optou por uma linguagem circense na interpretação da moralista viúva Perpétua. O que, a princípio, pareceu uma temeridade – alguns achavam que ela deveria mudar o tom –, revelou-se um achado. A personagem foi um dos grandes sucessos da novela. Segundo a atriz, as situações propostas pela trama e a harmonia entre os atores resultavam em muitas gargalhadas nas gravações. (*)

Segundo Betty Faria, foi ela quem negociou a compra dos direitos para adaptar o livro diretamente com Jorge Amado. Como ainda estava no elenco da novela antecessora, O Salvador da Pátria, a entrada da atriz na trama só aconteceu no capítulo 18.

Aguinaldo Silva ressaltou que pretendeu fazer uma metáfora sobre a volta da liberdade de expressão na novela brasileira. No capítulo em que Tieta (Claudia Ohana) é expulsa de casa pelo pai, Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos), ele arranca aquele dia do calendário e diz: “Faz de conta que esse dia nunca aconteceu!” O dia marcado na folhinha é 13 de dezembro de 1968, data em que foi promulgado o AI-5. (*)

A personagem Dona Milú (Mirian Pires), fixou na cabeça de todos o bordão “mistééééério!”.
Tonha (Yoná Magalhães) se despedia com um engraçado “te-chau!”.
Timóteo (Paulo Betti) usava a expressão “nos trinques!” para salientar que algo estava bom, ou havia sido bem feito.
Tieta, vez ou outra, exclamava “Eta lelê!”, como uma interjeição.
E Modesto Pires (Armando Bógus) soltava um “u-u!” cada vez que queria a amante Carol (Luiza Tomé) em seu colo.

A novela teve problemas com a Justiça e com a Igreja Católica, que enquadraram a polêmica relação amorosa entre tia e sobrinho – Tieta e Ricardo (Betty Faria e Cássio Gabus Mendes) – como um caso incestuoso.

Outro tema polêmico abordado na novela foi a pedofilia, porém de forma a não chocar o público. Ary Fontoura interpretou o coronel Artur da Tapitanga, que seduzia menores (que ele chamava de “rolinhas”) em troca de lar, comida e alfabetização. A única indomável foi Maria Imaculada (Luciana Braga), que se recusou a ceder às vontades do velho coronel.

Dois mistérios movimentaram a trama de Tieta. Perpétua (Joana Fomm) agarrava-se a uma caixa escondida em seu guarda-roupa. O conteúdo dessa caixa aguçou a curiosidade de todos mas nunca foi revelado. Especulava-se que seria o órgão genital do falecido marido da megera. No final, depois de Perpétua desmoralizada, o povo da cidade fez fila para ver o que havia dentro da tal caixa. Mas apenas foi exibida a reação dos personagens, surpresa, assustada, enojada ou divertida.

Também especulou-se quem seria a Mulher de Branco, uma misteriosa figura feminina que assombrava a cidade em noite de lua cheia e atacava sexualmente homens “indefesos”. Depois de várias vítimas, a identidade da assombração veio à tona: Laura (Cláudia Alencar), a fogosa esposa do Comandante Dário (Flávio Galvão) – que já havia aceitado com naturalidade dividir os carinhos de seu marido com a jovem Silvana (Cláudia Magno).
Aguinaldo Silva usou um mistério semelhante em outra novela sua, A Indomada (1997), em que as mulheres eram as vítimas de um tarado nas noites de lua cheia. A figura era conhecida como o Cadeirudo, por sua silhueta estranha e andar peculiar.

A abertura integrou beleza feminina e elementos da natureza. Para isso, o designer gráfico Hans Donner e sua equipe fotografaram o litoral de Mangue Seco, norte da Bahia. As fotos viraram slides projetados no fundo da cena onde a modelo Isadora Ribeiro aparecia nua e coberta por uma penumbra. A partir de recursos de computação gráfica, pedras, árvores e folhas contorciam-se, dando origem ao corpo da modelo.
Isadora Ribeiro, até então apenas uma modelo (já havia aparecido também na abertura do Fantástico, de 1988), fez uma participação no último capítulo da novela, como a nova amante de Modesto Pires (Armando Bógus), e seguiu a carreira de atriz.

Os atores tiveram a assessoria da pesquisadora Íris Gomes da Costa, que aplicou no trabalho expressões citadas nas obras de Jorge Amado e os termos coloquiais usados na região nordestina. (*)

Com o sucesso de Tieta, as dunas de Mangue Seco, no litoral da Bahia, ganharam repercussão e o povoado virou ponto turístico. As paisagens que serviram como cenário são lembradas até hoje por quem visita o local.

A cidade cenográfica da fictícia Santana do Agreste, construída numa área de 10 mil metros quadrados em Guaratiba, na zona oeste do Rio de Janeiro, era formada por 46 prédios, 2 igrejas, 8 ruas, 2 praças, 1 circo abandonado e 15 ruínas. Destacou-se na obra a reprodução do calçamento das ruas de Laranjeiras, em Sergipe, feita em fibra de vidro por artesãos locais. (*)

A repercussão e o sucesso da novela foi tanto que Betty Faria chegou a lançar a linha de roupas “Tieta by Betty Faria”.

Por seus trabalhos na novela, José Mayer, Joana Fomm e Luciana Braga foram premiados com o Troféu Imprensa 1989 de melhor ator, melhor atriz e “pessoa do ano”, respectivamente.

Tieta foi adaptada para o cinema, em 1996, no filme de Cacá Diegues com roteiro assinado por Antônio Calmon. Betty Faria foi preterida na versão cinematográfica. Sônia Braga – também coprodutora – viveu a personagem-título. Assim como acontecera com a versão cinematográfica de Gabriela (filme de Bruno Barreto, de 1983), optou-se por Sônia pensando no potencial internacional de vendas do filme. Por esse mesmo motivo, Marília Pêra ficou com o papel de Perpétua. Caetano Veloso – também um artista de prestígio internacional – fez a trilha sonora. Ainda no elenco, Chico Anysio (Zé Esteves), Cláudia Abreu (Leonora), Heitor Martinez (Ricardo) e outros.

A novela foi reapresentada no Vale a Pena Ver de Novo entre 19/09/1994 e 07/04/1995.
Esta reprise apresentou uma alteração até então nunca vista nas aberturas de novelas globais. A nudez de Isadora Ribeiro foi censurada e, para disfarçar o corpo da modelo, a imagem foi escurecida e os créditos apareciam subindo a tela, como nos créditos de encerramento.
Entretanto, o problema maior na abertura dessa reprise foi a grafia errada de alguns atores creditados: “Lílian” Cabral (Lília), “Dalton” Mello (Danton), “Renato Barbosa” (Renata Castro Barbosa), “Rosana Goffmann” (Rosane Gofman) e Ana Lúcia “Torres” (Torre).
Durante a reprise, a Som Livre lançou a trilha da novela em CD com as melhores músicas dois discos originalmente lançados em vinil. A capa era a mesma do segundo LP, com a foto de Betty Faria.

Reprisada novamente no Viva (canal de TV por assinatura pertencente à Rede Globo) a partir de 01/05/2017.

Em 2012, em homenagem ao centenário de Jorge Amado, a Globo Marcas lançou o box do DVD da novela.

(*) Fonte: Memória Globo.

Trilha Sonora 1

tietat1
01. MEIA LUA INTEIRA – Caetano Veloso (tema de locação)
02. TUDO O QUE SE QUER (ALL I ASK OF YOU) – Emílio Santhiago e Verônica Sabino (tema de Ascânio e Leonora)
03. NO RANCHO FUNDO – Chitãozinho & Xororó (tema de Osnar)
04. PAIXÃO ANTIGA – Tim Maia (tema de Helena)
05. PAIXÃO DE BEATA (NENÉM DE MULHER) – Pinto do Acordeon (tema de Amorzinho e Cinira)
06. TIETA – Luiz Caldas (tema de abertura)
07. SEGREDOS DA NOITE – Instrumental (tema da Mulher de Branco)
08. CORAÇÃO DO AGRESTE – Fafá de Belém (tema de Tieta)
09. EU E VOCÊ – José Augusto (tema de Elisa)
10. CADÊ O MEU AMOR – Quinteto Violado (tema de Carmosina)
11. AMOR ESCONDIDO – Fagner (tema de Carol)
12. POR VOCÊ, COM VOCÊ – Guilherme Arantes
13. TENHA CALMA – Maria Bethânia (tema de Tieta e Ricardo)
14. IMACULADA – Instrumental (tema de Imaculada)

Trilha Sonora 2

tietat2
01. IMACULADA – Elba Ramalho (tema de Imaculada)
02. UMA NOVA MULHER – Simone (tema de Tonha)
03. DANCEI – Martinho da Vila (tema de Modesto Pires)
04. ALGUÉM ME DISSE – Gal Costa (tema de Elisa)
05. A LUA E O MAR – Moraes Moreira e Pepeu Gomes (tema de locação)
06. ÁGUA NA BOCA – 3 do Nordeste (tema de Artur da Tapitanga)
07. URBANA – Ary Sperling (tema de Arturzinho)
08. LUAR DO SERTÃO – Roberta Miranda (tema de Laura)
09. INDO E VINDO (ONE FOR THE ROAD) – Paulo Ricardo (tema de Rosalvo)
10. VEM MORENA – Nana Caymmi (tema de Carol)
11. DOIDA PRA TE AMAR – Nando Cordel (participação especial de Amelinha) (tema de Carmosina)
12. SINCERIDADE (SINCERIDAD) – João Bosco (tema de Silvana)
13. TOUCAN’S DANCE – Sérgio Mendes
14. O COMANDANTE (STAR SPLANGLED BANNER) / O BÊBADO – Banda de Santana do Agreste (tema de Dário / tema de Bafo-de-Bode)

Sonoplastia: Aroldo Barros
Produção musical: Mariozinho Rocha
Supervisão musical: Wálter D’Avilla Filho

Tema de Abertura: TIETA – Luiz Caldas

Vem meu amor
Vem com calor
No meu corpo se enroscar
Vem minha flor
Vem sem pudor
Em seus braços me matar

Tieta não foi feita da costela de Adão
É mulher-diabo
É a própria tentação
Tieta é a serpente que encantava o Paraíso
Ela veio ao mundo pra pirar nosso juizo

Tieta, Tieta
Pelos olhos de Tieta me deixei guiar
Tieta, Tieta
No ventre de Tieta encontrei o meu lugar
Tieta, Tieta
Nos seios de Tieta construi meu ninho
Na boca de Tieta morri como um passarinho

Tieta do Agreste
Lua cheia de tesão
É lua, estrela, nuvem
Carregada de paixão
Tieta é fogo ardente
Queimando o coração
Seu amor mata a gente
Mais que o sol do meu sertão…

Veja também

  • roquesanteiro85_logo

Roque Santeiro (1985)

  • valetudo_logo

Vale Tudo

  • pedrasobrepedra_logotipo

Pedra Sobre Pedra

  • feraferida_logo

Fera Ferida

  • tereza_logo

Tereza Batista

  • gabriela75_logo

Gabriela (1975)

  • tendadosmilagres_logo

Tenda dos Milagres

  • portodosmilagres_logo

Porto dos Milagres